Tribunal Militar condena suboficiais da FAB por motim de controladores de voo - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Cotidiano

Tribunal Militar condena suboficiais da FAB por motim de controladores de voo

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O Superior Tribunal Militar (STM) condenou três suboficiais da Força Aérea Brasileira (FAB) a seis anos e seis meses de reclusão pelo crime de motim, previsto no artigo 149 do Código Penal Militar. A paralisação aconteceu no dia 30 de março de 2007, véspera de feriado prolongado, quando controladores de voo cruzaram os braços e pararam o tráfego aéreo no País por cinco horas.

A investigação sobre o caso demorou mais de dois anos para ser concluída quando, em setembro de 2009, o Ministério Público Militar denunciou 89 pessoas. Desde então, a Justiça Militar vem julgando individualmente os envolvidos.

No julgamento por videoconferência nesta quarta-feira, 28, os ministros endureceram as condenações dos suboficiais Luiz Marques, Florisvaldo Salles e José Tadeu Tavares, que foram expulsos das Forças Armadas.

A decisão atende a um recurso apresentado pelo Ministério Público para garantir a reforma da sentença de primeira instância, que havia enquadrado os militares no crime de atentado ao transporte. O argumento usado pela acusação foi o de que, ao se negarem a cumprir o serviço e a se reunir com seus superiores hierárquico, os suboficiais cometeram no crime de motim - o que, na prática, implica no aumento das penas. O delito é fartamente descrito no Código Penal Militar, que proíbe greves, como um desvio que compromete a ordem pública e constitucional em afronta ao princípio da defesa do Estado.

Os advogados dos militares, por sua vez, rechaçam a tese e defendem que o caso se enquadra no delito de 'inobservância da lei, regulamento ou instrução' (art. 324 do CPM). Os defensores também alegaram que a paralisação do tráfego aéreo ocorreu por motivos de segurança do voo, uma vez que a sala de controle foi invadida por manifestantes, mas acabaram vencidos no plenário.

Para o relator do processo, ministro Marco Antônio de Farias, os controladores eram experientes e sabiam das implicações da interrupção do serviço de controle do tráfego aéreo ou as medidas necessárias para normalizar do serviço. O magistrado também lembrou que os três estavam trabalhando no turno em que ocorreu a paralisação das decolagens naquele ano de 2007.

"Os réus, antes mesmo de buscar esvaziar a sala do centro de controle, optaram por interromper o tráfego aéreo em completa afronta às normas administrativas, inclusive cônscios das gravíssimas consequências dessa atitude. Não há dúvidas de que eles, deliberadamente, deixaram de cumprir o "Modelo Operacional" com a finalidade de interromper a circulação de aviões no País e, assim, alcançar os seus objetivos, os quais guardavam semelhança com as reivindicações de natureza sindical", observou o magistrado.

Em seu voto, o ministro também fez duras críticas à paralisação. Para Tavares, a ideia de suspender as decolagens como estratégia para reivindicar pautas da categoria levou 'caos a todo o País'.

"O motim integra o grupo dos mais nefastos crimes militares, porque mira, sem escrúpulos, nas raízes castrenses mais valiosas: os pilares da hierarquia e da disciplina. A traição atinge o âmago das Forças Armadas, reduzindo a pó os juramentos estatutários que os agentes militares realizaram perante a Bandeira Nacional", afirmou o relator. "A decisão de hoje tem o potencial de fazer ecoar a intolerância do Estado-Juiz em face de atos criminosos extremamente danosos e capazes de desestabilizar, em curto tempo, os altos escalões castrenses e o normal funcionamento do País", completou o ministro.

Relembre o caso

Em 30 de março de 2007, controladores de voo em Brasília, Curitiba, Manaus e Salvador se amotinaram para reivindicar a desmilitarização do setor. A paralisação também foi vista como uma reação a represálias da Aeronáutica, que estava transferindo sargentos controladores para outras cidades. A categoria externava ainda insatisfação com problemas de equipamentos.

Na pauta, os grevistas pediam o fim de perseguições com retorno dos militares afastados de suas funções, a criação de uma gratificação emergencial para a categoria, o início da desmilitarização e a nomeação de uma comissão para acompanhar as mudanças no setor.

Na tarde daquela sexta, cerca de 100 controladores do Centro de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo de Brasília impediam e atrasavam as decolagens na capital federal, onde o movimento teve maior expressão. Em Salvador, a prisão de um sargento da aeronáutica e controlador de voo por insubordinação, dias antes, inflamou o motim. Além das interferências no tráfego aéreo, os manifestantes fizeram greve de fome e auto-aquartelamento - tática usada, sem sucesso, para tentar desqualificar um eventual processo por motim ou rebelião.

Na ocasião do 'apagão aéreo', o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estava em viagem a Washington e nomeou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, para negociar com os grevistas. Além de designar um civil para administrar o caos, Lula proibiu o Comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, de prender os controladores, o que desencadeou uma crise por quebra na hierarquia militar. Não demorou muito para o ex-presidente recuar. Pressionado pelos militares, Lula desfez a promessa de abrir negociação salarial com os controladores e rever eventuais punições. O comando também voltou para a Aeronáutica.

Passados dois anos e meio, a investigação foi concluída e 89 militares denunciados pelos crimes de atentado contra o transporte e motim. Os sargentos Edleuzo Cavalcante e Carlos Trifilio, apontados como articulares e líderes do levante, também foram enquadrados por incitação ao crime.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Tribunal Militar condena suboficiais da FAB por motim de controladores de voo"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.