Cotidiano

Sul tem números recordes; PR fará Natal com toque de recolher

Da Redação ·

Segunda área em número médio de casos hoje, atrás apenas do Sudeste, a Região Sul apresentou nas últimas duas semanas os maiores registros desde o início da pandemia. Até ontem, a média nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná era de 188, conforme os dados do consórcio da imprensa. No geral do mês, os números até meados de dezembro só são superados pelo total anterior de agosto.

continua após publicidade

O governo do Paraná decidiu prorrogar até o dia 28 o decreto que estabelece toque de recolher noturno, lei seca e proibição de aglomerações com mais de dez adultos. As medidas têm como objetivo frear o contágio pelo coronavírus, que matou mais de 7 mil pessoas no estado desde março. O novo decreto, divulgado nesta quinta-feira pode ser prorrogado até janeiro.

O secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto, defende que o toque de recolher noturno, aliado à lei seca, enfrenta dois dos principais problemas: a transmissão do coronavírus e a superlotação dos hospitais públicos e privados. "Tivemos uma redução de 30% a 35% nos atendimentos de alta complexidade ligados a bebidas alcoólicas, como acidentes de trânsito, traumas, ferimentos por armas de fogo ou armas brancas", disse.

continua após publicidade

Para o médico José Rocha Faria Neto, do Centro de Epidemiologia e Pesquisa Clínica da PUC-PR, as medidas são necessárias para frear o atual estágio da pandemia. Segundo ele, se analisados os casos novos pela data de diagnóstico, excluindo os registros retroativos, as restrições explicam parcialmente o recuo de 12% na média móvel do indicador.

Nesta quarta-feira, a média móvel de mortes em 24 horas no Paraná alcançou o maior número desde o início da pandemia: 73. Entre as vidas perdidas está a do estudante Janel Labes, de 24 anos, que morreu na segunda. Morador de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, Janel era conhecido pela influência positiva na comunidade e havia trabalhado nas últimas eleições. "Ele era amigo de todos, se comunicava muito bem, e usava esse talento para ajudar", conta o irmão mais velho, Ciro Labes.

Em Santa Catarina, porém, o governador Carlos Moisés (PSL) deve oficializar hoje o afrouxamento das medidas de isolamento em diversos setores que sofriam restrições desde março. Além de liberar ocupação total em hotéis e pousadas a partir de 21 de dezembro, o novo decreto também vai autorizar "eventos sociais", acesso às praias e o funcionamento de parques aquáticos, cinemas, teatros e museus. Nas praias, a limitação deverá ser a distância entre os guarda-sóis.

continua após publicidade

Santa Catarina está com 90% dos leitos de UTIs adultos ocupados. Nesta quinta-feira, dos 56 hospitais com leitos públicos, em 33 praticamente não havia mais vagas. Em 11 hospitais, a lotação está em 100%. No Estado, a pandemia já infectou mais de 440 mil pessoas e matou 4.517. O professor epidemiologista do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Lúcio Botelho, diz que o Brasil vive uma crise pior do que viveu a Europa no momento mais crítico e diz que Santa Catarina enfrentará um colapso "de forma dramática" na saúde.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.