Cotidiano

SP reforça fiscalização durante festas de fim de ano e interdita 11 locais

Da Redação ·

O reforço na fiscalização durante as festas de final de ano em todo o Estado resultou em autuações e interdições de estabelecimentos que não cumpriram as regras estabelecidas no Plano SP, que colocou entre 25 a 27 de dezembro e 1º e 3 de janeiro todo o Estado na fase vermelha, na qual só os serviços essenciais têm funcionamento autorizado.

continua após publicidade

Segundo Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional, 6.700 pessoas foram dispersadas em festas clandestinas e 11 estabelecimentos foram interditados, sendo que 52 foram vistoriados e autuados pela fiscalização. "O balanço foi positivo. No dia 27 de dezembro tivemos um isolamento social de 49%, índice que não era atingido desde 23 de agosto. Ainda vamos ter os índices do réveillon, mas no cômputo geral, os prefeitos e a população do Estado compreenderam a importância disso", afirmou ao Estadão.

Foram cerca de 1.000 agentes da vigilância sanitária e mais de 2.300 homens da segurança pública só no litoral paulista, onde a expectativa de aglomeração era muito grande. "Tivemos um número grande de autuações e foi importante a parceria com prefeituras para coibir eventos ilegais e aplicar multas", continuou Vinholi.

continua após publicidade

A Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) já havia notificado 19 cidades que não aderiram às recomendações do Centro de Contingência da Covid-19 para restringir as atividades comerciais nesse período de festas. Elas foram encaminhadas ao Ministério Público, que vai lidar com esse desrespeito às medidas do Plano SP - o governo não pretende entrar com qualquer ação.

"Isso cabe ao MP, que entra com a ação e faz a recomendação que muitas vezes funciona. No caso de Presidente Prudente funcionou. Hoje a cidade está na fase vermelha de novo. Não é apenas uma pressão, mas o MP também pode tomar medidas cabíveis, incluindo até processar por improbidade administrativa", disse.

No caso de Prudente, o MP teve uma reunião no domingo, 3, com diversas entidades da sociedade e com a presença do prefeito Ed Thomas (PSB), e mostrou que existe uma sentença judicial determinando multa diária de R$ 250 mil por descumprimento, bem como a necessidade de fiscalização sobre os comerciantes. Após a conversa, a cidade recuou da ideia de permanecer na fase amarela.

continua após publicidade

"O prefeito Ed Thomas reafirma que continuará trabalhando para que as atividades consideradas atualmente como 'não essenciais' sejam reabertas o mais rápido possível, contudo, respeita a determinação judicial e posicionamento do Ministério Público, não podendo onerar ainda mais o município como um todo, caso a multa venha a ser cobrada. Por esta razão, a Secretaria de Comunicação orienta e esclarece os comerciantes a obedecerem o Decreto Estadual que coloca toda a região na Fase Vermelha do Plano São Paulo, que proíbe atividade econômicas tidas como não essenciais", avisou a prefeitura em nota.

Na quinta-feira, 7, o governo do Estado divulgará um novo balanço sobre a pandemia de covid-19 em São Paulo. Segundo Vinholi, ainda haverá uma avaliação um dia antes. "Vamos fazer essa análise dos dados na próxima quarta. Entendemos que o isolamento deve ter dado um impacto positivo nos números. Estamos também trabalhando na ampliação de leitos", comentou.