Cotidiano

SP: governo reduz horários de bares e amplia período de funcionamento do comércio

Da Redação ·

Diante da alta de casos de covid-19 no Estado, o governo de São Paulo anunciou, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira, 11, novas medidas restritivas para bares, restaurantes e lojas de conveniência. Como o Estadão adiantou, a gestão estadual decidiu reduzir o horário de funcionamento dos bares para até as 20 horas (até hoje, eles podiam ficar abertos até as 22 horas).

continua após publicidade

Os restaurantes poderão continuar funcionando até as 22 horas, mas a venda de bebida alcoólica só poderá ser feita até as 20 horas. A mesma regra valerá para as lojas de conveniência de postos de gasolina. As medidas têm como objetivo de reduzir aglomerações geralmente protagonizados por jovens.

Por outro lado, o governo decidiu ampliar de 10 para 12 horas o período de funcionamento dos comércios para evitar um acúmulo de clientes nas mesmas faixas de horário, principalmente durante o período de compras de fim de ano. As medidas começam a valer já à meia-noite deste sábado, 12, e terão duração de 30 dias, prorrogáveis pelo mesmo período.

continua após publicidade

Atualmente, todo o Estado está na fase amarela do plano São Paulo, que autoriza o funcionamento de bares e restaurantes até as 22 horas. Pelo programa de flexibilização da quarentena, chamado de Plano São Paulo, o Estado foi dividido em regiões e fases, que vão de 1 a 5, e podem reabrir gradualmente atividades econômicas a partir da classificação na fase 2 (laranja). As principais diferenças da fase 3 (amarela) em relação à fase 4 (verde) são a redução do atendimento de 60% para 40% da capacidade total, funcionamento por apenas 10 horas, com limite até as 22 horas.

O Estadão apurou que a decisão por ampliar as restrições veio da pressão de especialistas do Centro Estadual de Contingência, que, preocupados com a escalada da pandemia no Estado, pediam que o governo impedisse o funcionamento de bares após as 20 horas - período em que o movimento começa a ficar maior.

O grupo de técnicos que assessora o governo de São Paulo vem pedindo há dias medidas mais rígidas de quarentena no Estado, mas o governador João Doria estaria resistente a um endurecimento radical da quarentena, preocupado com um eventual desgaste político.

continua após publicidade

No dia 30 de novembro, o governador já havia anunciado maior restrição no Estado diante do aumento de casos. As regiões que estavam na fase verde regrediram para a fase amarela. Mesmo assim, o número de pessoas internadas nos hospitais e centros de saúde continua crescendo.

O número de hospitalizados passou de 9.689 no fim do mês passado para 10.670 nesta quinta-feira, 10. A taxa de ocupação dos leitos de UTI, que na época estava em 52,2% no Estado e 59,1% na Grande São Paulo, chegou a 57,5% e 64%, respectivamente.