Cotidiano

SP chega aos 468 anos em festa pela Independência e pelo modernismo

Da Redação ·

Sem grandes eventos, por causa da pandemia, São Paulo chega aos 468 anos de fundação com expectativa por outras celebrações. Duas delas são as comemorações de marcos nacionais em território paulistano: o bicentenário da Independência do Brasil e os 100 anos da Semana de Arte Moderna.

continua após publicidade

Antes de São Paulo ser a grande metrópole do País, esses episódios reforçaram a imagem da cidade como "berço da nação" e precursora do Brasil moderno. Em 1822, ela era menos populosa do que outras capitais e se resumia a um território bem menor (o que se chama hoje de centro expandido). No século 19, a economia cafeeira alavancaria a região como potência econômica.

Já a Semana de 1922 ocorreu em um contexto de início da industrialização, aumento populacional e maior urbanização, terreno mais propício para disputa de poder com o Rio, capital federal naquela época. Professor de História da USP, João Paulo Pimenta pontua que a Independência foi um momento inicial da construção de uma identidade nacional (e, mais adiante, paulista). "Antes, não existia uma nacionalidade brasileira, só a portuguesa. A Independência começou a criar a nacionalidade brasileira, com símbolos, heróis, memórias."

continua após publicidade

Luiz Armando Bagolin, professor do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, diz que ambos os eventos históricos também foram absorvidos e valorizados como parte da tradição paulistana. Por outro lado, tanto a Independência quanto a Semana de 22 têm sido revisitadas nas últimas décadas por pesquisadores, que também identificam uma visão "paulistocêntrica" dos episódios. Segundo estudos, a maioria dos eventos que envolvem a Independência ocorreu no Rio e o 7 de Setembro foi valorizado por meio de esforços de São Paulo. Além disso, é questionada a versão de que a Semana de Arte Moderna seja o marco inaugural do movimento, sem dar visibilidade a iniciativas anteriores, como no Rio e em Recife.

Poder emergente

Em 1822, a cidade não tinha a mesma importância e desenvolvimento de Salvador e do Rio. Mas já exercia influência regional, tanto que foi visitada pelo então príncipe regente naquele ano para apaziguar animosidades políticas. "São Paulo não era das cidades mais importantes, mas vinha crescendo desde o fim do século 18", diz Pimenta, autor de Independência do Brasil (Editora Contexto).

continua após publicidade

Novo movimento

Enquanto São Paulo se preparava para celebrar o centenário da Independência, um evento com menos repercussão à época viria a se tornar outro episódio de projeção da capital paulista ao longo das décadas. De 13 a 18 de fevereiro, modernistas fizeram a Semana de 22 no Theatro Municipal, reunindo artistas e intelectuais reconhecidos e jovens nomes das artes.

Com os anos, a imagem modernista se centralizou em São Paulo, embora tivesse também precursores no Rio e em Recife. Bagolin destaca que algumas iniciativas paulistas foram, de fato, inovadoras, como as primeiras exposições da pintora Anita Malfatti. "Nada era parecido com aquilo e, por isso, não foi entendido (pela maioria)."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.