Cotidiano

Sem provas, Bolsonaro cita efeitos colaterais de vacinas após Anvisa aprovar uso em crianças

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O presidente Jair Bolsonaro adotou um tom de desestímulo ao comentar a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), anunciada nesta quinra-feira, 16, de autorizar a aplicação da vacina contra a covid-19 da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos com doses pediátricas. Na contramão de especialistas, que recomendam a vacinação para conter a pandemia, Bolsonaro citou, sem apresentar provas, efeitos colaterais dos imunizantes. Disse que os pais devem decidir "se compensa ou não" vacinar os filhos.

continua após publicidade

"Anvisa diz que os pais sejam orientados a procurar médico se a criança apresentar dores repentinas, falta de ar", afirmou o presidente em transmissão ao vivo nas redes sociais. "Vocês têm o direito de saber o nome das pessoas que aprovaram a vacina a partir de 5 anos para seus filhos. Você decide se compensa ou não", acrescentou o chefe do Executivo.

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos foi aprovada hoje pela Anvisa após testes que comprovaram segurança e eficácia de sua utilização. No entanto, o Brasil ainda não tem as doses pediátricas da vacina da Pfizer, criadas especialmente para a aplicação em crianças.

continua após publicidade

De acordo com Bolsonaro, ele e a primeira-dama Michelle vão estudar a possibilidade de vacinar a filha do casal, Laura, de 11 anos. O presidente disse não ter se vacinado, enquanto a primeira-dama tomou a vacina nos Estados Unidos.