Cotidiano

Saúde: Registros de brasileiros vacinados foram recuperados

Da Redação ·

O Ministério da Saúde informou neste domingo, 12, que o processo de recuperação dos registros dos brasileiros vacinados contra a Covid-19 no País, contidos na plataforma ConecteSUS, foi concluído. A interface foi alvo de ataque cibernético na sexta-feira, 10. Em nota, a pasta afirmou que não houve perda de informações e todos os dados foram restaurados. A invasão também atingiu outros sistemas do governo federal.

continua após publicidade

Na tarde de ontem, 11, o Ministério da Saúde disse que as plataformas comprometidas pelo ataque hacker devem voltar a ficar disponíveis para a população nesta semana. Não houve, no entanto, a divulgação da data prevista para o restabelecimento, tampouco a especificação dos sistemas que seguem violados. Na nota divulgada neste domingo, foi informado que "a pasta trabalha para restabelecer o mais rápido possível os sistemas para registro e emissão dos certificados de vacinação", que, até o momento, seguem fora do ar.

O grupo hacker Lapsus$ Group assumiu a autoria da invasão que tirou do ar o site do Ministério, o Painel Coronavírus, o e-SUS Notifica, o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI) e o Conecte SUS, que exibe dados de vacinação contra a covid-19. A plataforma de controle e registro das pessoas vacinadas no País ainda segue sem apresentar as informações dos cidadãos, mas, como informaram os técnicos da Saúde, não há risco de perda de informações.

continua após publicidade

A Polícia Federal (PF) e o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI) seguem desde sexta-feira trabalhando para elucidar o caso. A PF instaurou um inquérito para apurar as circunstâncias e os envolvidos no ataque. O Núcleo de Operações de Inteligência Cibernética é o responsável por conduzir as investigações, que neste momento se encontram em fase de perícia preliminar. A força tarefa montada para identificar os autores do atentado cibernético, e mensurar os danos causados, constatou que os bancos de dados não chegaram a ser criptografados pelos hackers.

O ataque cibernético retardou a implementação da portaria editada pelo governo federal para regular a entrada de viajantes internacionais no País, como forma de frear a contaminação pela variante Ômicron da covid-19.

A despeito das declarações do governo, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), expediu na tarde de ontem uma decisão liminar que obriga a União a exigir o chamado "passaporte da vacina" dos viajantes internacionais que chegam ao Brasil. Aqueles que não puderem comprovar a imunização contra a Covid-19 serão impedidos de entrar no País. A medida passa a valer assim que os órgãos do governo envolvidos no controle das fronteiras - Ministérios da Casa Civil, Justiça, Saúde e Infraestrutura - forem comunicados, o que deve ocorrer a partir desta segunda-feira, 13. Na quarta-feira, 15, o plenário virtual da Corte dará início a uma sessão extraordinária para julgar o despacho de Barroso.

continua após publicidade

Em sua decisão, o ministro menciona a gravidade da pandemia, sobretudo 'com a existência de autoridades negacionistas'. A ordem liminar foi dada em uma ação apresentada ao Supremo pelo partido Rede Sustentabilidade, que acusa o governo de 'omissão' por não adotar as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em relação ao desembarque de passageiros internacionais.

"A presente decisão não envolve um juízo quanto a preferências políticas do Judiciário, mais sim uma avaliação acerca da compatibilidade das medidas adotadas pelo Executivo com o respeito a tais direitos, tendo em vista uma pandemia que já matou mais de 600.000 (seiscentos mil) brasileiros e a existência de autoridades negacionistas da sua gravidade", escreveu o ministro.