Cotidiano

Rússia alega que a vacina 'Sputnik V' teve eficácia acima de 95% após 2ª dose

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Rússia alega que a vacina 'Sputnik V' teve eficácia acima de 95% após 2ª dose
fonte: EFE/EPA/RDIF

Nesta terça-feira (24), o governo russo afirmou que a vacina Sputnik V teve eficácia "acima de 95%" 21 após a aplicação da segunda dose e 42 dias após a primeira dose. Até o momento, as informações não foram divulgadas em revista científica. Os dados são preliminares. 

continua após publicidade

Principais pontos divulgados sobre a vacina

A eficácia do imunizante foi "acima de 95%" 21 dias após a aplicação da 2ª dose (42 dias após a aplicação da 1ª dose).

continua após publicidade

No total, o estudo analisa dados de 18.794 pessoas que foram vacinadas. Dessas, 14.095 receberam vacina, em ambas as doses. As outras 4.699 receberam uma substância inativa (placebo). 

Entre os vacinados, houve 8 casos de Covid-19 uma semana após a aplicação da 2ª dose (e 28 dias após a 1ª dose). Entre os não vacinados, houve 31 casos no mesmo período. Os números equivalem à eficácia de 91,4%. Não foram divulgados números detalhados sobre a eficácia acima de 95%.

Até esta terça (24), nenhum evento adverso inesperado havia sido identificado. Alguns dos vacinados apresentaram eventos adversos menores de curto prazo, como dor no ponto de injeção e sintomas semelhantes aos da gripe, incluindo febre, fraqueza, fadiga e dor de cabeça.

continua após publicidade

Assim como a vacina de Oxford, a temperatura de armazenamento da Sputnik V é de 2°C a 8°C (condições normais de refrigeração). É uma vantagem em relação à candidata da Pfizer, que precisa ser armazenada a -70ºC durante o transporte, e da Moderna, que precisa ficar a -20ºC.

Com informações; G1.