'Qualquer vacina que garanta imunidade, estaremos atrás', diz secretário da Saúde - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Cotidiano

'Qualquer vacina que garanta imunidade, estaremos atrás', diz secretário da Saúde

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O Secretário-Executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, disse nesta sexta-feira, 14, que a pasta tem acompanhado as candidatas a vacina contra a covid-19 e buscado alternativas para a imunização da população.

"Qualquer vacina que esteja acessível em quantidade num prazo com uma capacidade de oferecer imunidade à população brasileira, nós estaremos atrás dela: seja australiana, canadense, americana, chinesa, russa, argentina, qualquer vacina nós estamos atrás", pontuou Franco.

Segundo o secretário, a principal preocupação do Ministério é salvar vidas e fazer o possível para voltar à normalidade.

"Estamos verificando a oferta com a quantidade que possibilite a imunização da população brasileira e nós vamos negociar, buscar, verificar as condições contratuais, o prazo, a quantidade, para que nós possamos inseri-la dentro do nosso Programa Nacional de Imunização", explicou Élcio Franco.

De acordo com o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti, o governo tem feito reuniões técnicas para discutir preço, eficácia, segurança e resultados.

"A solução que chegar primeiro, com qualidade, não pouparemos esforços. Não é sair correndo atrás de qualquer um que fale que tenha uma solução", afirmou o secretário.

No começo de agosto, o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correa de Medeiros, disse que o governo federal pretende comprar "a primeira vacina que chegar ao mercado", independentemente do país que a produzir.

O Ministério da Saúde já fechou um acordo para a compra da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a Astrazeneca. O presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória que abre crédito extraordinário de cerca de R$ 1,9 bilhões para viabilizar a compra, processamento e distribuição de 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19. Desse valor, R$ 522 milhões irão para a estrutura da unidade da Fiocruz que produz imunobiológicos, a Bio-Manguinhos, e R$ 1,3 bilhão é de despesa referente a pagamentos previstos no contrato de encomenda tecnológica.

No final de julho, a pasta afirmou que foi assinado um documento que deu base para o acordo entre os laboratórios sobre a transferência de tecnologia e produção de 100 milhões de vacinas contra a covid-19, caso seja comprovada sua eficácia e segurança.

Nesta quinta, questionado sobre a possibilidade de negociação da vacina desenvolvida pela Rússia, o ministro interino, Eduardo Pazuello, não descartou a viabilidade, mas disse que os dados em torno do assunto são incipientes e que as posições estão "ainda muito rasas".

Alternativas

Franco também informou que o Ministério está "buscando outras alternativas", entre elas o COVAX Facility, que é uma ação global da Organização Mundial da Saúde (OMS) que pretende garantir acesso às vacinas da covid-19, que ainda estão sendo desenvolvidas.

"Nós temos também buscado outras alternativas, como o COVAX Facility que é uma iniciativa que está sendo capitaneada pela Organização Mundial da Saúde, onde nove laboratórios estão prospectando a vacina. E qual sair na frente é a que deve ser disponibilizada. Eles oferecem uma quantidade um pouco menor, não vai fazer aquela cobertura desejável para nós, mas é uma alternativa", conclui Franco.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "'Qualquer vacina que garanta imunidade, estaremos atrás', diz secretário da Saúde"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.