Cotidiano

Primeira anaconda mutante do mundo é encontrada no Brasil

A serpente foi encontrada em Belém, Pará, e tem uma mutação genética chamada xantismo

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
A sucuri-verde tem uma mutação genética chamada xantismo, fator que altera o pigmento de sua pele
fonte: Arquivo pessoal/Afonso Meneses
A sucuri-verde tem uma mutação genética chamada xantismo, fator que altera o pigmento de sua pele

Cientistas fizeram o primeiro registro do mundo de uma anaconda mutante. Trata-se de uma sucuri-verde (Eunectes murinus) de pele amarela.

continua após publicidade

Uma foto, feita em Belém, Pará, mostra detalhes de uma mutação genética chamada xantismo, fator que altera o pigmento da pele do animal para tons amarelados. 

"A sensação de fotografar esse réptil foi muito bacana. Ver o bicho de coloração totalmente diferente e poder publicar o primeiro registro do mundo faz a gente perceber o quanto ainda temos para descobrir sobre a nossa fauna", disse o biólogo Afonso Meneses.

continua após publicidade

Ainda conforme o biólogo, o que mais impressiona nesse caso é o fato da serpente estar na vida adulta, pois ela tem cores que dificultam sua camuflagem na floresta. O animal registrado mede cerca de 2,5 metros e pesa sete quilos.

Resgate em área urbana

O biólogo conta que estava em uma expedição com um amigo que estuda cobras da América do Sul quando conseguiu o flagrante. "Eu estava fazendo meu mestrado e ele desenvolvendo um trabalho de doutorado sobre sucuris na mesma região. A gente foi para um serpentário que fica a 30 quilômetros de Belém pra levantar dados da pesquisa dele. Foi quando soubemos que a cobra de cores pálidas havia sido encontrada no centro da cidade", lembra.

continua após publicidade

A sucuri amarela foi resgatada em 2020 pelo Batalhão de Polícia Ambiental de Belém (PA), em uma área urbana. No entanto, o artigo com o registro inédito só foi publicado esta semana pelo Herpetological Review.

Como as cores dificultam a sobrevivência na natureza, a cobra foi levada para o Centro de Herpetologia da Amazônia, onde permanece em recinto, contribuindo com estudos sobre o fenômeno.

 O animal registrado mede cerca de 2,5 metros e pesa sete quilos fonte: Arquivo pessoal/Afonso Meneses
O animal registrado mede cerca de 2,5 metros e pesa sete quilos

Fonte: G1.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News