Cotidiano

Prefeitura de São Paulo vai abrir 19 AMAs para 'desafogar' hospitais

Da Redação ·

A Prefeitura de São Paulo vai abrir 19 unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMA) neste domingo, 14, para o atendimento exclusivo de pacientes com crises respiratórias. Os hospitais-dia M Boi Mirim 2 e Flávio Giannotti, na zona sul, Vila Guilherme, na zona norte, e Moóca, na zona leste, também vão atender pacientes transferidos de hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Toda essa estratégia tem apenas um objetivo: desafogar a demanda nos hospitais da cidade no atendimento aos casos do novo coronavírus.

continua após publicidade

As unidades, que atuam na área de atenção básica de saúde, vão realizar procedimentos de baixa e média complexidade, como inalação, oxigênio, medicação. Serviços de urgência e emergências vão destinar esforços para os casos de maior complexidade.

O aumento da capacidade de atendimento ocorre em um momento em que o sistema de saúde sofre pressão pelo alto número de infectados e aumento do tempo de internação. Na primeira onda da pandemia na cidade, também era elevado o número de pacientes internados, mas, desta vez, os doentes demoram mais tempo para se recuperar, o que pressiona o sistema. Na cidade de São Paulo, a secretaria de saúde municipal informou que a rede alcançou 83% de ocupação para leitos de UTI.

continua após publicidade

A prefeitura também trabalha para ampliar o número de leitos para covid-19. Na próxima segunda-feira, 130 novos leitos de UTI serão implementados na capital, sendo 100 no Hospital do M Boi Mirim, 20 no Guarapiranga (ambos na Zona Sul), e 10 no São Luiz Gonzaga (na Zona Norte).

Outros 185 leitos de enfermaria também serão criados na próxima semana, sendo 105 deles no Hospital da Cantareira, na zona norte, (segunda-feira). No decorrer da semana serão criados outros 60 leitos no Hospital da Capela do Socorro (zona sul) e 20 no Sorocabana (zona oeste).

Avanço da pandemia

continua após publicidade

Nas últimas 24 horas foram registrados 434 falecimentos e 15.344 novos casos no estado de São Paulo. Internações batem novo recorde, com 9.944 pessoas em UTIs e 13.081 em enfermaria. No total, São Paulo teve 2.195.130 casos e 63.965 óbitos causados pelo coronavírus. A semana que se encerra neste sábado, 13, foi a pior para o estado de São Paulo desde o início da pandemia, com 2.548 mortes confirmadas por covid-19 desde o último domingo. Isso representa uma média de 364 óbitos por dia.

Nesta quinta-feira, o governador João Doria (PSDB) determinou o início do que chamou de "fase emergencial", a partir de segunda-feira, ainda mais restritiva do que a fase vermelha. Todo o Estado, incluindo a capital, deve seguir as diretrizes da fase emergencial. Entre as medidas determinadas em todo o Estado estão restrições a lojas de materiais de construção, teletrabalho em escritórios e órgãos públicos e proibição de cerimônias religiosas. Também houve restrição ao funcionamento de escolas estaduais, que entrarão em recesso a partir de segunda-feira.