Cotidiano

Prefeitos da Baixada Santista querem ampliar restrições no Natal e ano-novo

Da Redação ·

Prefeitos da Baixada Santista consideram "inviáveis" as medidas anunciadas nesta terça-feira, 22, pelo governo estadual para as festas de fim de ano e planejam se reunir por videoconferência na manhã desta quarta-feira, 23, para discuti-las. O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, afirmou que a região precisa de restrições adaptadas, principalmente no réveillon, como intensificar as barreiras sanitárias e fechar as orlas a fim de conter aglomerações e evitar a disseminação do novo coronavírus nos municípios do litoral sul.

continua após publicidade

Nesta terça-feira, a gestão João Doria (PSDB) anunciou que todo o Estado ficará na fase vermelha do Plano São Paulo, a mais restritiva no combate à covid-19, nos dias 25, 26 e 27 de dezembro e 1, 2 e 3 de janeiro. Porém, os dias 24 e 31, considerados mais críticos, ficaram de fora da medida, o que preocupou Barbosa, que também preside o Conselho de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista (Condesb).

"Entendemos que a Baixada Santista precisa de medidas diferenciadas, especialmente para o réveillon, na medida em que o Plano São Paulo estabelece regras para o período até o dia 28 e depois apenas após o dia 1º e relaxa medidas para o período de réveillon, que é o período mais crítico para nossa região", diz o prefeito em vídeo encaminhado pela Prefeitura de Santos nesta terça-feira. Barbosa falou que vai convocar os prefeitos atuais e eleitos para a reunião.

continua após publicidade

"Nós precisamos intensificar barreiras sanitárias, precisamos fechar as orlas e, para isso, precisamos da participação da Polícia Militar. Amanhã, vamos ter esta reunião do Condesb, vamos ter algumas deliberações e tomar decisões conjuntas para que o Estado possa aperfeiçoar essas medidas e criar uma operação própria, adaptar essas medidas para a realidade da Baixada Santista. Da forma como foi proposto, fica inviável cumprir essas medidas aqui na Baixada Santista", completou.

Em nota, a Prefeitura de Santos lembrou que, na última semana, o Condesb solicitou ao governo estadual apoio da Polícia Militar para restringir os acessos às cidades da região e às praias. "O pedido deve-se à inviabilidade de os municípios arcarem sozinhos com tais ações preventivas neste período, quando há o aumento expressivo do fluxo de turistas no Litoral e as Guardas Civis Municipais não têm efetivo suficiente para garantir o cumprimento das recomendações dos especialistas da área da saúde pelos visitantes", diz a gestão municipal.

Um comunicado divulgado no portal da prefeitura nesta terça-feira informa que o município vai realizar barreiras sanitárias nos acessos à cidade nos dias 24 e 31 de dezembro. No Saboó e na orla do José Menino, divisa com São Vicente, haverá bloqueios para impedir que vans e ônibus de turismo entrem no município. Os veículos serão orientados a retornar aos locais de origem. Além dos feriados, as medidas seguirão também nos finais de semana, em 26 e 27 de dezembro e 2 e 3 de janeiro.

continua após publicidade

No começo deste mês, a gestão municipal de Santos também informou que vai adotar medidas na orla da praia no dia 31. "Haverá restrições nos horários de montagem de barracas e no funcionamento do comércio ambulante e dos quiosques. Os canais e passarelas de acesso serão isolados com gradis. O descumprimento das medidas acarretará em multas, apreensões de mercadorias e até a suspensão da licença", diz a prefeitura.

Por meio de nota, a Prefeitura de São Vicente disse que aguarda a publicação oficial do Decreto Estadual que prevê a implantação da fase vermelha e acompanhará as decisões do Condesb, que deve se manifestar sobre as medidas adotadas. O Estadão também fez pedidos às prefeituras do Guarujá, Praia Grande, Ubatuba e Caraguatatuba para saber se os municípios vão adotar medidas restritivas em 24 e 31 de dezembro, mas não teve resposta até a publicação desta reportagem.

Na última sexta-feira, 18, um comunicado no site da Prefeitura do Guarujá informava que a cidade havia flexibilizado o uso de cadeiras e guarda-sóis nas praias. Por decreto, os equipamentos poderiam ser disponibilizados por ambulantes, quiosques, hotéis, pousadas, condomínios e similares, mas com regras específicas. "Cada ambulante ou quiosque poderá disponibilizar, no máximo, dez guarda-sóis, com duas cadeiras cada. Para hotéis, pousadas e condomínios, a regra tem uma diferença: a disponibilização está restrita a um guarda-sol e duas cadeiras para cada quarto/unidade habitacional."