Cotidiano

Polícia prende suspeitos de ligação com sequestros e extorsões de arquitetos

Caio Possati, especial para AE (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) prenderam, na manhã da última quinta-feira, 14, em São Paulo, um homem e uma mulher suspeitos de participarem de uma quadrilha especializada em sequestrar arquitetas e extorqui-las por meio de transações bancárias via pix.

continua após publicidade

O caso vem sendo investigado pela 2ª Delegacia de Polícia sobre Fraudes Contra Instituições de Comércio Eletrônico Praticadas por Meios Eletrônicos (DCCiber) desde maio, quando a Polícia Civil teve o conhecimento da primeira vítima do grupo.

Segundo o delegado André Junji, que está à frente das investigações, a quadrilha tinha como foco arquitetas mulheres. Ao todo foram seis vítimas, mas o número, de acordo com as investigações, pode ser maior.

continua após publicidade

Junji explica que as arquitetas eram abordadas por telefone pelos suspeitos, que marcavam uma reunião pessoal para debater o orçamento de uma possível reforma residencial. Nos encontros, os falsos clientes anunciavam o golpe e levavam as vítimas para matagais das regiões do Jardim Rincão e Jaguaré.

Era no cativeiro que os suspeitos faziam as transferências bancárias até subtrair todo o dinheiro das contas das vítimas. "Elas ficavam cerca de seis a sete horas (sob o domínio da quadrilha)", diz o delegado, que não soube informar por que os criminosos tinham profissionais arquitetas como foco.

Na quadrilha, o papel do casal preso nesta quinta era o de receber as transferências bancárias. Segundo Junji, eles não tinha passagem pela polícia, Além da apreensão da dupla, o Deic tinha também um terceiro mandado de prisão contra outro integrante do grupo, mas que não chegou a ser cumprido. O suspeito está foragido.

Os policiais também apreenderam nove celulares que vão ser usados para dar seguimento nas investigações. De acordo com o delegado, os dois suspeitos presos não confessaram a autoria do crime, "mas forneceram informações que vão ser importantes para identificar os outros integrantes da quadrilha", disse Junji.