Cotidiano

Pessoas desenvolvem lesões nos dedos após contraírem covid

Para alguns, a reação é indolor, mas para outras a erupção pode causar dor extrema e coceira, acompanhada de bolhas e inchaço

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Pessoas desenvolvem lesões nos dedos após contraírem covid
fonte: Getty Images/Via BBC
Pessoas desenvolvem lesões nos dedos após contraírem covid

A Covid-19 desenvolve inúmeros problemas em algumas pessoas que já a contraíram. Um exemplo, é que a doença causa ferimentos semelhantes à frieira nos dedos dos pés e até mesmo nos das mãos em alguns infectados. 

continua após publicidade

Cientistas buscavam entender por qual motivo isto ocorre e, segundo eles, os 'dedos de covid' são resultados da ação do próprio sistema imunológico, que acaba atacando o corpo do indivíduo após a infecção. 

Este problema pode acontecer com pessoas de qualquer idade, desde que tenham contraído o novo coronavírus, porém, os 'dedos de covid' são mais comuns em crianças e adolescentes. 

continua após publicidade

Para alguns, a reação é indolor, mas para outras a erupção pode causar dor extrema e coceira, acompanhada de bolhas e inchaço. A pele afetada - geralmente os dedos dos pés, mas às vezes os das mãos - pode apresentar coloração vermelha ou roxa. Algumas pessoas desenvolvem protuberâncias elevadas e dolorosas ou áreas de pele áspera. Também pode haver pus. A condição pode durar semanas ou até mesmo meses.

Frequentemente, quem sofre de 'dedos de covid' não apresenta nenhum dos sintomas clássicos da covid-19, como tosse persistente, febre e perda ou alteração no odor ou no paladar.

De acordo com um médico, esses ferimentos desparecem de forma espontânea, mas algumas pessoas podem necessitar de tratamento com cremes e outros medicamentos. 

continua após publicidade

Entretanto, os 'dedos de covid' diminuíram nas pessoas contaminadas pela doença ultimamente. De acordo com os pesquisadores, a queda desta condição se deve ao avanço da vacinação.

A descoberta foi divulgada na revista científica British Journal of Dermatology. 

Fonte: BBC