Cotidiano

Padre é proibido de realizar exorcismo no Brasil; entenda

Debates sobre a prática do exorcismo voltaram à tona na Igreja Católica por conta de uma polêmica envolvendo um padre

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Padre é proibido de realizar exorcismo no Brasil; entenda
fonte: iStock

Debates sobre a prática do exorcismo voltaram à tona na Igreja Católica por conta de uma polêmica envolvendo um padre do Distrito Federal. Há diversos pontos de vista em relação ao ritual na religião e, para atuar com a prática, é necessário que o sacerdote tenha autorização. Na última semana, o padre Vanilson da Silva, o único exorcista que a capital federal tinha, alegou que foi proibido de atuar pela Arquidiocese de Brasília. 

continua após publicidade

O padre Vanilson da Silva, que atuava na Associação Padre Júlio Negrizzolo, na região de São Sebastião, no Distrito Federal, divulgou uma comunicado nas redes sociais, na quinta-feira (10), para informar os fiéis sobre sua suspensão. No texto, o religioso informou ter sido proibido de atuar, mas não citou o motivo que levou à medida

Ele disse apenas que as reuniões que culminaram na decisão foram realizadas sem a presença dele.

continua após publicidade

"Me senti violentamente desrespeitado. Eu, como objeto das reuniões, nunca fui ouvido", disse no texto.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Padre Vanilson Silva (@padrevanilsonsilva)

Após a polêmica, a Arquidiocese de Brasília afirmou, em nota, que "as tratativas foram iniciadas para melhor discernir tanto o bem do referido sacerdote como do Povo de Deus". No entanto, também não esclareceu o motivo para o afastamento e a nomeação de um novo sacerdote.

continua após publicidade

Exorcismo

De acordo a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o ato do exorcismo se vale de rituais, palavras e oráculos e é baseado em ensinamentos da Igreja, para expulsar espíritos malignos – das pessoas, lugares e objetos que são supostamente possuídos ou atormentados por eles.

Segundo o professor do departamento de Ciência da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Edin Abumanssur, que concedeu uma entrevista ao g1, "[O ritual] não é uma coisa absurda dentro da Igreja Católica". Edin afirma que existem regras para a prática, mas que existem padres que não concordam com o exorcismo. Um dos motivos pode ser a discordância do que seria uma possessão no conceito da igreja.

continua após publicidade

"O próprio ritual dá margem para que a ideia da possessão seja compreendida como uma questão psiquiátrica", diz Edin Abumanssur.

O professor acredita que o exorcismo é mais alvo de polêmica entre grupos específicos. "É um tabu em um meio mais intelectualizado, segmentos mais afluentes, que dão outra interpretação", diz ele.

continua após publicidade

Ainda segundo Abumanssur, o exorcismo deve passar por um protocolo rígido e ser considerado apenas como último recurso. "O padre tem que ter muita certeza, deve ter analisado exames psiquiátricos antes de realizar o exorcismo."

Caso seja praticado, Abumanssur destaca que o ritual deve ser discreto, na presença apenas de familiares.

Para o professor, historicamente, o exorcismo é uma forma que as pessoas encontraram para lidar com a dor e o sofrimento. Ele afirma ainda que a prática não é exclusiva da crença cristã, sendo que rituais semelhantes são encontrados em outras culturas.

continua após publicidade

Mudanças na Igreja Católica

Em 1999, a Igreja Católica fez a primeira grande atualização nas regras sobre exorcismo desde 1614, distinguindo a possessão demoníaca de doenças físicas e psicológicas. Uma cartilha, lançada em 2017, recomenda que cada bispo nomeie um padre, em sua diocese, para esta função. A recomendação é feita com base no Direito Canônico, conjunto de leis que regula a Igreja.

Em 2018, o Vaticano abriu as portas para um curso anual de exorcismo, em meio a uma demanda crescente de comunidades católicas ao redor do mundo. Cerca de 250 padres, de 50 países, participaram para, entre outras coisas, aprender a identificar uma "possessão demoníaca", ouvir testemunhos de colegas e conhecer os rituais para a "expulsão de demônios".

Um ano antes, o Papa Francisco havia dito para sacerdotes que a maioria dos transtornos são de porte "psicológico" e que, portanto, devem ser curados "através da colaboração sadia com as humanidades". No entanto, o papa reconheceu que certos problemas espirituais podem necessitar de exorcistas.

Fonte: G1.