Cotidiano

OMS garante que não aprovará vacinas sem segurança comprovada

Da Redação ·

Durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira, o comando da Organização Mundial da Saúde (OMS) foi questionado sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que "ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina". Representantes da entidade evitaram citar o brasileiro nominalmente, mas reforçaram a importância da vacinação e garantiram que um imunizador para o coronavírus não será aprovado sem passar por todas as etapas clínicas necessárias. "Vacinas salvam vidas", pontuou a cientista-chefe do órgão, Soumya Swaminathan.

continua após publicidade

A pediatra indiana acrescentou que espera resultados de algumas pesquisas no fim deste ano. "Falando de forma realista, a segunda metade de 2021 é quando podemos começar a ver a doses sendo distribuídas para os países, para que comecem a imunizar suas populações", afirmou.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, assegurou que não endossará vacina que não tenha segurança e eficácia comprovadas. Ele criticou o movimento antivacina e destacou a importância da vacinação em massa para a erradicação da varíola e o combate ao ebola. "Todos nós esperamos ter uma notícia positiva sobre vacina ainda este ano", ressaltou, acrescentando que a prioridade inicial será a vacinação de profissionais de saúde e grupos de risco.

continua após publicidade

Tedros comentou ainda que há evidência de que corticoides podem ajudar no tratamento de pacientes de coronavírus entubados, embora tenham potencial efeito negativo em pessoas com a versão moderada da doença. "A OMS, portanto, recomenda o uso de corticoides apenas em pacientes que estejam severamente ou criticamente doentes", explicou.