MAIS LIDAS
VER TODOS

Cotidiano

‘Novas infecções e mortes estão caindo, mas não rápido o suficiente’, diz OMS sobre HIV

Novas infecções e mortes pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), causador da Aids, estão caindo, mas não "rápido o suficiente", na avaliação do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom. Em discurso na 12ª Conferência da Soc

Leon Ferrari (via Agência Estado)

·
Escrito por Leon Ferrari (via Agência Estado)
Publicado em 23.07.2023, 14:05:00 Editado em 23.07.2023, 14:11:20
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

Novas infecções e mortes pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), causador da Aids, estão caindo, mas não "rápido o suficiente", na avaliação do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom. Em discurso na 12ª Conferência da Sociedade Internacional de Aids (IAS), na Austrália, feito neste domingo, 23 a autoridade de saúde ainda alertou que alguns países enfrentam aumento na incidência de casos.

continua após publicidade

"Enfrentamos um mundo de múltiplas crises sobrepostas, incluindo conflitos, migração, mudança climática, que têm implicações para a resposta ao HIV, especialmente para Estados frágeis e pequenos", afirmou.

O alvo do HIV é o sistema imunológico. À medida que o vírus destrói e prejudica a função das células imunes, os indivíduos infectados tornam-se gradualmente imunodeficientes e menos competentes para enfrentar infecções e alguns tipos de câncer. O estágio mais avançado da infecção é a Aids, que, atualmente, pode ser controlada por regimes de tratamento compostos por uma combinação de medicamentos antirretrovirais (que impedem a replicação/multiplicação do vírus no organismo), que permite que pessoas que vivem com HIV tenham vida longa e saudável.

continua após publicidade

De acordo com comunicado da OMS divulgado também neste domingo, no final de 2022, 29,8 milhões das 39 milhões de pessoas vivendo com HIV estavam em tratamento antirretroviral (76% do total), com quase três quartos delas (71%) vivendo com o vírus indetectável, ou seja, sem a possibilidade de transmissão devido à baixa carga viral (quantidade de vírus presente no sangue).

Na conferência deste ano, a organização aproveitou para celebrar os bons resultados do uso consistente da terapia antirretroviral. O comunicado é ancorado em uma revisão sistemática publicada na revista científica The Lancet, que analisou 31 estudos publicados sobre o tema entre 2010 e 2022.

Na análise, os cientistas concluíram que há "quase zero risco" de transmissão sexual do HIV por pacientes com cargas virais inferiores a 1 mil cópias do vírus por mL. "É importante enfatizar que essas mensagens e resultados não se aplicam à transmissão de mãe para filho. Como a transmissão vertical pode ocorrer durante a gravidez, ou seja, no útero, durante o parto ou através da amamentação, a duração e a intensidade da exposição à viremia (presença de vírus no sangue) são consideravelmente maiores do que a transmissão sexual", alertam.

continua após publicidade

Crianças

As crianças são uma grande preocupação da OMS. Embora pacientes adultos que vivem com HIV tenham um acesso considerável à tratamento, só 46% das crianças com o vírus têm carga viral considerada suprimida. "Uma realidade que precisa de atenção urgente", diz a OMS.

continua após publicidade

Cura

Recentemente, um sexto paciente foi considerado livre do HIV. Apesar de a notícia ser animadora, mais de quatro décadas após a descoberta da Aids, cada vez mais cientistas compreendem que a cura do vírus causador da doença será individualizada (caso a caso) e múltipla (com associação de terapias). Enquanto isso não é realidade, a prevenção, diagnóstico precoce e o tratamento daqueles que vivem com o HIV são as melhores estratégias para lidar com essa epidemia, dizem especialistas.

"Ao olharmos para o futuro, deixe-me indicar três prioridades. São as mesmas três coisas que nos trouxeram até aqui Primeiro, precisamos continuar aproveitando o poder da ciência para desenvolver ferramentas novas e mais poderosas, maximizar seu impacto e continuar a busca por uma cura e uma vacina", disse Tedros.

"Em segundo lugar, precisamos continuar ouvindo e respondendo às vozes das comunidades afetadas na concepção e desenvolvimento de ferramentas e programas", continuou. "E, terceiro, precisamos manter os direitos humanos no centro", finalizou.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Cotidiano

Deixe seu comentário sobre: "‘Novas infecções e mortes estão caindo, mas não rápido o suficiente’, diz OMS sobre HIV"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
Compartilhe! x

Inscreva-se na nossa newsletter

Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!