Cotidiano

Nasa lança telescópio espacial mais poderoso do mundo; veja

O telescópio espacial James Webb, da Nasa, de US$ 9 bilhões, foi lançado na manhã deste sábado (25)

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Nasa lança telescópio espacial mais poderoso do mundo; veja
fonte: Nasa

O telescópio espacial James Webb, da Nasa, um instrumento revolucionário de US$ 9 bilhões capaz de perscrutar o mais distante do cosmos, foi lançado na manhã deste sábado (25) na América do Sul, abrindo uma nova era da astronomia.

continua após publicidade

O poderoso telescópio infravermelho, saudado pela Nasa como o principal observatório de ciências espaciais da próxima década, foi embalado dentro do compartimento de carga de um foguete Ariane 5 e decolou às 09h20, no horário de Brasília, da base de lançamento tropical da Agência Espacial Europeia (ESA), na Guiana Francesa.

O instrumento de 6,3 toneladas foi lançado do foguete construído na França e entrou em órbita após uma viagem de 27 minutos e sete segundos ao espaço. Agora, ele gradualmente se desdobrará até quase o tamanho de uma quadra de tênis ao longo dos próximos 13 dias enquanto navega.

continua após publicidade

O telescópio Webb levará um mês para chegar ao seu destino na órbita solar, a cerca de 1,6 milhão de quilômetros da Terra – cerca de quatro vezes mais longe do que a lua.

E o caminho orbital de Webb o manterá em alinhamento constante com a Terra enquanto o planeta e o telescópio circundam o Sol em conjunto.

Em comparação, o antecessor de Webb de 30 anos de idade, o Telescópio Espacial Hubble, orbita a Terra a 340 milhas de distância, entrando e saindo da sombra do planeta a cada 90 minutos.

continua após publicidade

Nomeado em homenagem ao homem que supervisionou a Nasa durante a maior parte de sua década de formação nos anos 1960, Webb é cerca de 100 vezes mais sensível do que Hubble e deve transformar a compreensão dos cientistas do universo e nosso lugar nele.

Webb verá principalmente o cosmos no espectro infravermelho, permitindo-lhe espiar através de nuvens de gás e poeira onde as estrelas estão nascendo, enquanto o Hubble operou principalmente em comprimentos de onda ópticos e ultravioleta.

Com informações, CNN Brasil 

Tags relacionadas: #ESPAÇO #mundo #NASA