Cotidiano

MPF denuncia 18 por tráfico de cocaína para a Europa em contêineres de frutas

Redação, O Estado de S. Paulo (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 18 pessoas acusadas de integrar grupos criminosos que enviavam cocaína em contêiner de frutas para a Europa pelo porto de Salvador. A denúncia é resultado das investigações da Operação Descontaminação, que cumpriu em abril deste ano, 12 mandados de buscas e apreensões e oito mandados de prisão preventiva, em diversas cidades da Bahia e São Paulo.

continua após publicidade

Os envolvidos foram denunciados pelos crimes de organização criminosa, associação para o tráfico, tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e falsificação de documento público. As investigações apontam que o esquema consistia em admitir funcionários do porto para introduzir as drogas nos contêineres com destino ao continente europeu, por meio de navios. O processo segue para a Justiça Federal da Bahia, onde a denúncia deverá ser analisada.

Os mandados foram cumpridos em Salvador, Lauro de Freitas e Feira de Santana, e nos municípios paulistas de Sorocaba, Salto, Santos e São Vicente. Quatro dos denunciados continuam presos e outros dois permanecem com monitoramento eletrônico.

continua após publicidade

Em setembro de 2021, três funcionários foram presos em flagrante no Terminal de Contêineres do porto de Salvador após colocar 165 quilos de cocaína num contêiner que seria destinado à Europa. Segundo a Polícia Federal, a Operação Descontaminação já realizou seis apreensões de cocaína no Brasil e no exterior, totalizando cerca de 3,5 toneladas da droga.

A Operação Descontaminação foi deflagrada pela Polícia Federal e a Receita Federal a partir de investigações iniciadas em 2019, que buscavam desarticular a organização criminosa. A denúncia será analisada pela Justiça Federal para que seja instaurada ação penal aos acusados. Caso o processo prossiga, os denunciados se tornarão réus e o juiz decidirá sobre possível condenação e aplicação de penas previstas em lei. O MPF e a PF seguem com as investigações para apurar outros crimes e envolvimento de outras pessoas na organização criminosa.