MAIS LIDAS
VER TODOS

Cotidiano

Moraes intima diretores de hospitais de SP com médicos investigados por fazer abortos legais

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, intimou os diretores de cinco hospitais paulistanos a comprovar que não estão punindo médicos que fizeram abortos legais em gestações acima do prazo de 22 semanas. A medida é parte da ação

Guilherme Naldis (via Agência Estado)

·
Escrito por Guilherme Naldis (via Agência Estado)
Publicado em 19.06.2024, 18:16:00 Editado em 19.06.2024, 18:24:23
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, intimou os diretores de cinco hospitais paulistanos a comprovar que não estão punindo médicos que fizeram abortos legais em gestações acima do prazo de 22 semanas. A medida é parte da ação no Supremo que questiona uma decisão do Conselho Federal de Medicina (CFM) que dificultava interrupções de gestação previstas na lei.

continua após publicidade

A decisão do STF, que reverte o entendimento do CFM, gerou irritação entre deputados da bancada evangélica. Em resposta, os parlamentares criaram o projeto de lei que equipara os abortos acima de 22 semanas a homicídios, mesmo em caso de estupro, gravidez de risco ou anencefalia fetal.

O julgamento do Supremo, que ainda precisa ser validado pelo plenário da corte, afetou casos de punição aplicados pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) contra médicos que realizaram abortos em mulheres vítimas de estupro, que correm risco de vida ou que gestam fetos anencéfalos. A informação veio do jornal Folha de S.Paulo, e foi confirmada pelo Estadão com a autarquia estadual.

continua após publicidade

Entre as instituições intimadas, estão os hospitais municipais Dr. Cármino Caricchio, Dr. Fernando Mauro Pires da Rocha e o Tide Setúbal, e as maternidades municipais Vila Nova Cachoeirinha e Professor Mário Degni. Alguns profissionais destas unidades passaram por diligências do órgão fiscalizador após realizar interrupções de gestações em casos previstos na lei.

O ministro impôs prazo de manifestação de 48 horas que, se não for cumprido, renderão "pena de responsabilização pessoal de seus administradores".

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Cotidiano

    Deixe seu comentário sobre: "Moraes intima diretores de hospitais de SP com médicos investigados por fazer abortos legais"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!