Cotidiano

Menina que pediu rim ao Papai Noel morre na fila de transplante

Yasmin Vitória, de apenas 7 anos, foi diagnosticada com síndrome nefrótica e em todas as oportunidades pedia por um transplante de rim; entenda

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Nos seus sete anos de vida, a pequena Yasmin precisou realizar mais de 10 procedimentos cirúrgicos
fonte: Arquivo Pessoal
Nos seus sete anos de vida, a pequena Yasmin precisou realizar mais de 10 procedimentos cirúrgicos

Nesta segunda-feira (18), morreu Yasmin Vitória Miranda, após passar anos na fila de espera por um transplante de rim. A menina de 7 anos, nos últimos três três anos, fazia o mesmo pedido em cartinhas ao Papai Noel, no seu aniversário, no dia das crianças e em demais datas comemorativas: conseguir um novo rim. Infelizmente, ela não conseguiu realizar o sonhado transplante.

continua após publicidade

A criança foi diagnosticada com síndrome nefrótica e os sintomas apareceram quando ela tinha apenas um ano de idade. Inchaços e crises renais alertaram os pais sobre a doença renal, de evolução crônica que afeta vários órgãos e sistemas do corpo humano.

Fabiane Miranda, de 29 anos, é mãe de Yasmin e passou os últimos anos sem trabalhar ou estudar para se dedicar integralmente à filha. A mulher afirma que teve como recompensa o sorriso e a enorme vontade de viver da menina.

continua após publicidade

“Você não podia me deixar aqui sozinha 💔😭”, disse a mãe em uma publicação.

A equipe de reportagem do g1 entrou em contato com Fabiane que lamentou a demora na fila de espera por um rim e a falta de atendimento adequado no Mato Grosso do Sul. “Se tivesse tratamento aqui ela talvez não precisasse esperar tanto para transplantar. Mato Grosso do Sul depende de outros estados para dar continuidade no tratamento dos nossos pequenos”, disse.

Nos seus sete anos de vida, a pequena Yasmin precisou realizar mais de 10 procedimentos cirúrgicos. Entre idas e vindas dos hospitais, a garotinha passou mais de 70 dias internada no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (HU) de Campo Grande.

continua após publicidade


Fonte: Informações do g1.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News