Cotidiano

MC é morto a tiros enquanto fazia show em Porto de Galinhas

Até a manhã deste domingo, 26, ninguém havia sido preso, segundo a Polícia Civil.

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia MC é morto a tiros enquanto fazia show em Porto de Galinhas
fonte: Reprodução / Redes sociais

O MC Boco do Borel, cantor de brega funk, foi morto a tiros na madrugada deste domingo (26) enquanto fazia um show em Porto de Galinhas, em Ipojuca, no Litoral Sul de Pernambuco. Ele tinha 34 anos.

continua após publicidade

O crime ocorreu no Aconchego Bar. Boco foi atingido por vários tiros, segundo um profissional que trabalhava com o cantor mas pediu para não ser identificado.

Até a manhã deste domingo, 26, ninguém havia sido preso, segundo a Polícia Civil.

continua após publicidade

Boco do Borel chegou a ser socorrido e levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Serrambi, mas não resistiu aos ferimentos. Ele deixa mulher e 4 filhos.

O corpo foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML), no Centro do Recife. A família não quis falar com a imprensa.

MC Boco, nome artístico de Paulo Roberto Gonçalves Cavalcanti, morava no bairro da Mustardinha, na Zona Oeste do Recife. No início da carreira, fez dupla com MC Sheldon. Os dois se consolidaram como como pioneiros do brega funk.

continua após publicidade

Sheldon lamentou a morte do amigo via rede social. Os dois estavam afastados por conta de um desentendimento.

"Eu e o Boco tivemos uma história linda de irmandade. A gente, juntos, superou preconceito, a gente superou os obstáculos da vida durante uma geração e é até meio estranho para mim falar dessa forma. O Boco se foi, não está mais aqui entre nós e o que me deixa mais triste ainda é que eu não pude dizer o quanto eu amava ele", escreveu o cantor.

Em junho de 2020, Boco foi preso com mais 3 homens por estar com 670 gramas de derivado de pasta base de cocaína. Ele ficou detido até outubro deste ano. Na época, a assessoria do cantor negou o envolvimento do artista e afirmou que ele estava “no local errado na hora errada”.

A reportagem é do G1.