Cotidiano

Luana diz que cloroquina aumenta em 77% risco de morte

Em depoimento à CPI, a infectologista Luana Araújo afirmou que o medicamento é responsável pelo aumento de 77% no risco de óbitos em pacientes com covid-19.

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Luana diz que cloroquina aumenta em 77% risco de morte
fonte: Reprodução
Luana diz que cloroquina aumenta em 77% risco de morte

A médica infectologista Luana Araújo afirmou ao senador governista Eduardo Girão (Pros-CE), na CPI da Covidque a cloroquina é responsável pelo aumento de 77% no risco de óbitos em pacientes com covid-19.

continua após publicidade

"Eu considero natural que lá no começo da pandemia a gente tenha insistido em algo que não tem realmente valor", disse, completando que o remédio já foi descartado por "estudos científicos sólidos" de instituições renomadas do mundo inteiro.

Questionada se era contra a autonomia dada aos médicos pelo Ministério da Saúde, permitindo que eles receitem medicamentos para o tratamento precoce da doença causada pelo novo coronavírus, Luana afirmou que os profissionais de saúde podem sugerir os remédios, mas também precisam assumir a responsabilidade por eventuais problemas.

continua após publicidade

"O profissional tem direito de indicar da maneira que ele considerar correta, mas ele precisa ser responsabilizado por aquilo que ele faz."

Ela defende que médicos que utilizam remédios sem comprovação científica contra a covid, como a cloroquina, não podem utilizar a lógica de "se eu prescrevo e a pessoa se salva, eu digo que sou o máximo, mas se ele morre, foi Deus que quis".

Luana Araújo, que foi chamada pelo atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para ocupar uma secretaria de coordenação do combate à pandemia, mas ficou apenas dez dias no cargo, voltou a dizer que não há remédios aprovados pela ciência contra a covid.

continua após publicidade

Segundo a especialista, estudos do mundo inteiro "estão buscando soluções dentro de tudo o que é possível" para vencerem a doença. A cloroquina e a hidroxicloroquina, argumentou, já são hipóteses descartadas.

Girão perguntou então o que ela diria se médicos e enfermeiros do país estivessem salvando vidas com o tratamento precoce?

E ela rebateu: "Infelizmente  isso não é o que aponta [a ciência]. Existe uma revisão sistmática que mostra elevação de risco de 1.77 para o uso da cloroquina, o que mostra um aumento da mortalidade de 77%."

continua após publicidade

A infectologista comentou ainda que utilizar a Índia como exemplo de país que utilizou com sucesso a cloroquina, como fez Girão, é uma estratégia errada. 

Segundo ela, a Índia, que hoje sofre com o maior número de casos diários de covid-19 no mundo, com média móvel de 164 mil nos últimos sete dias, teve bons resultados no início da pandemia, mas não por causa de medicação. "Eles conseguiram, com uma restrição importante, conter o processo migratório, que é bastante intenso, E quando relaxaram nessas contenções, a doença se alastrou novamente", explicou Luana. "Essa conjuntura levou ao país onde ele está."

Luana Araújo discordou com veemência da afirmação de que a classe científica está dividida. "Ciência não tem lado, ou é bem feita ou é mal feita. A bem feita é aquela que não busca o resultado que você quer. Ela faz a pergunta e espera para entender o que aconteceu. É preciso ter uma criticidade bastante desenvolvida para que a gente consiga dar aos nossos colegas as ferramentas necessárias para esse tipo de análise."

Com informações: R7