Cotidiano

Justiça do Rio prorroga prisão de madrasta acusada de envenenar enteados

Fábio Grellet (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A pedido do Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ), a Justiça prorrogou por mais 30 dias a prisão temporária de Cíntia Mariano Dias Cabral, que está presa desde 20 de maio sob suspeita de ter envenenado os dois enteados. Bruno Carvalho Cabral, de 16 anos, sobreviveu, mas sua irmã Fernanda Carvalho Cabral, de 22 anos, morreu em 28 de março, após passar 13 dias internada.

continua após publicidade

A decisão foi do juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, da 3ª Vara Criminal do Rio. "Somente a manutenção da prisão de Cíntia possibilitará a eventual aplicação da lei penal e a instantânea garantia da ordem pública, evitando-se a reiteração criminosa, o que já se viu nestes autos em razão do surgimento de elementos do segundo fato agora melhor apurado. Tal medida se mostra indispensável para o êxito da investigação criminal", escreveu.

No dia 15 de maio, Bruno almoçou na casa que seu pai, Adeílson Cabral, e passou mal após a refeição - ele reclamou do gosto do feijão e estranhou a presença de uma substância azul. O adolescente se sentiu zonzo, ficou molhado de suor e logo não conseguia mais falar, com a língua enrolando. Foi internado no hospital municipal Albert Schweitzer, em Realengo (zona oeste do Rio), e conseguiu se recuperar da intoxicação - teve alta no dia 19.

continua após publicidade

Cintia foi presa no dia 20. Inicialmente ela afirmou à Polícia Civil que a substância azul detectada no feijão era um tempero industrializado para alimentos. Depois, em depoimento oficial e acompanhado por advogado, manteve-se em silêncio.

O exame médico do suco gástrico retirado do estômago de Bruno não encontrou veneno, que é rapidamente absorvido pelo organismo, mas identificou quatro cápsulas semelhantes às usadas para abrigar veneno de rato. "O exame realizado no laboratório do Instituto Médico Legal revelou a presença de quatro grânulos esféricos diminutos, de coloração azul escura, forma esta de apresentação de raticida amplamente e clandestinamente comercializado, conhecido como 'chumbinho'", diz o laudo. "O quadro clínico e a apresentação dos grânulos revelam quadro clássico de intoxicação por raticidas, carbamatos, aldicarb. Caso a vítima não tivesse sido submetida a tratamento imediato, como ocorreu, provavelmente teria evoluído para o óbito", segue o documento.

A partir da suposta tentativa de matar o enteado, a madrasta começou a ser investigada também pela morte da irmã de Bruno, Fernanda. Ela morreu em março, após apresentar sintomas semelhantes aos do irmão e ser internada no mesmo hospital. Na ocasião, no entanto, ainda não havia suspeita de envenenamento, e não houve tratamento específico para isso. O corpo de Fernanda foi exumado em 26 de maio e estão sendo feitos exames para tentar identificar sinais de envenenamento.

Consultada pela reportagem sobre a prorrogação da prisão temporária, a defesa de Cíntia não havia se pronunciado até a publicação deste texto.