MAIS LIDAS
VER TODOS

Cotidiano

Juíza aceita cachorro Tokinho como autor de ação contra antigo tutor que o agrediu a pauladas

Vítima de maus-tratos, o cão Tokinho foi resgatado pelo Grupo Fauna em Ponta Grossa, no interior do Paraná, em junho. A ONG deu entrada em um processo contra o tutor e conseguiu incluir o vira-lata como autor da ação. "Não estávamos pensando na repercu

Rayssa Motta (via Agência Estado)

·
Escrito por Rayssa Motta (via Agência Estado)
Publicado em 13.10.2023, 20:07:00 Editado em 13.10.2023, 20:10:39
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

Vítima de maus-tratos, o cão Tokinho foi resgatado pelo Grupo Fauna em Ponta Grossa, no interior do Paraná, em junho. A ONG deu entrada em um processo contra o tutor e conseguiu incluir o vira-lata como autor da ação. "Não estávamos pensando na repercussão que isso teria e também não foi pela sensibilização. É pela causa. É uma luta contínua de proteção do bem-estar animal", explica ao

continua após publicidade
Estadão

o advogado Vinicius Traleski, que representa a ONG no caso e faz parte da comissão de proteção e direitos dos animais da OAB em Ponta Grossa. "Um dos nossos objetivos é levantar o debate para que gere efeitos na causa animal." O debate sobre a categorização dos animais no Direito brasileiro ainda é um desafio. No Código Civil, por exemplo, seu status passou de coisa para bem - o que na prática continua atraindo para eles o regime jurídico de objeto. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) reconhece, desde 1978, os animais como seres sencientes. Isso significa que, se eles são capazes de sentir, não podem ser tratados como objetos. A juíza Poliana Maria Wojciechowski, da 3ª Vara Cível de Ponta Grossa, foi quem aceitou o pedido para registrar Tokinho como parte do processo. "Todo animal é sujeito de direitos fundamentais porque a Constituição lhe reconhece dignidade própria", escreveu na decisão. As agressões a Tokinho, atacado a pauladas, foram registradas por câmeras de segurança. O tutor chegou a ser preso em flagrante, mas conseguiu autorização para responder ao processo em liberdade. A ONG Grupo Fauna pede indenização de R$ 5 mil por dano moral e um reembolso de R$ 820 pelos gastos com veterinário e alimentação. "A gente espera que isso pese no bolso do agressor", acrescenta Traleski, que atua no processo ao lado da advogada Isabella Godoy Danesi. Tokinho está em um lar temporário, aguardando um adotante. O prontuário veterinário afirma que, quando chegou foi lado ao atendimento, ele estava com muita dor na coluna e extremamente assustado, arredio, tremendo muito. "Não pode ser admitido que os animais sejam tratados de modo arcaico e sejam expostos a situações cruéis", alegaram os protetores na ação. Ainda não há decisão sobre o mérito.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Cotidiano

    Deixe seu comentário sobre: "Juíza aceita cachorro Tokinho como autor de ação contra antigo tutor que o agrediu a pauladas"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!