Cotidiano

Jovem paraguaia fingia ser moradora para assaltar condomínios de luxo

José Maria Tomazela (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Uma paraguaia de 18 anos presa no último sábado, 16, pela polícia do Espírito Santo, está sendo apontada como peça-chave de uma quadrilha especializada em roubos a condomínios de luxo em vários Estados do País. Tamara Romina Ramos Dimas era a "isca" da quadrilha para burlar a vigilância e invadir os apartamentos, de onde eram subtraídos dólares e euros, joias, relógios e outros objetos de valor. Além da Grande Vitória, o grupo criminoso já realizou assaltos no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, e teria entrado em condomínio onde moram famosos, como os cantores Ivete Sangalo e Bell Marques, na Bahia.

continua após publicidade

A Polícia Civil capixaba já identificou, além de Tamara, outros dez integrantes do grupo, entre eles um homem de nacionalidade chilena. A jovem paraguaia foi flagrada por câmeras quando, com um comparsa, invadiu um apartamento no bairro Mata da Praia, em Vitória. Ela conseguiu entrar no condomínio em plena luz do dia, fazendo-se passar por moradora. Seu comparsa entrou depois e os dois subiram conversando no elevador, como se fossem moradores.

O prédio não tem câmeras nos corredores e, segundo a polícia, a porta do apartamento foi arrombada. No interior da residência, a dupla rendeu e torturou uma idosa de 97 anos, a filha de 59 anos e o genro de 61. Os criminosos chegaram a quebrar os dedos da mulher idosa ao arrancar os anéis que ela usava. O genro, que dormia na hora do assalto, tentou reagir e foi perfurado com uma chave de fenda. Além de joias avaliadas em R$ 30 mil, eles levaram 20 mil euros, 20 mil dólares e 10 mil reais em dinheiro.

continua após publicidade

Na fuga, houve gritos de "pega ladrão" e Tamara foi presa, enquanto o comparsa, auxiliado por outro criminoso do lado de fora, fugiu com os objetos roubados. A paraguaia foi autuada por tentativa de latrocínio e tortura. Ela teve a prisão preventiva decretada.

Com a prisão, a polícia descobriu que ela já tinha um mandado de prisão em aberto pelo roubo a um apartamento de um prédio de alto padrão, em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro. Nesse roubo, no feriado de 1º de maio, a jovem paraguaia estava acompanhada por três comparsas, entre eles o chileno. Eles aproveitaram que os moradores não estavam em casa. Além de dólares, euros, joias e um notebook, a quadrilha levou uma valiosa caneta de ouro.

A polícia do Rio identificou Tamara e os três comparsas. Eles foram denunciados pelos crimes de furto qualificado, receptação e associação criminosa. O chileno que alugou o carro usando documentos falsos foi preso em flagrante por utilização de documento falso e indiciado pelos demais crimes. A justiça acatou a denúncia - o processo tramita na 39a. Vara Criminal do Rio. A defesa dos acusados chegou a pedir habeas corpus, mas foi negado.

continua após publicidade

Redes sociais serviam para selecionar vítimas

Conforme o delegado Gianno Trindade, da Delegacia Especializada de Segurança Patrimonial (DSP) de Vitória, a quadrilha utiliza redes sociais para selecionar suas vítimas. "O que a investigação já apontou é que se trata de quadrilha especializada em roubos a condomínios de alto padrão. Eles selecionam as vítimas na internet, por meio de sites específicos, geralmente hospedados no exterior", disse.

Segundo ele, esses sites podem ser acessados por navegadores especializados ou hackers e fornecem até dados pessoais das vítimas. "Pessoas que costumam mostrar bens, como carros e motos, em redes sociais também acabam, de forma inadvertida, fornecendo informações úteis a esses criminosos", acrescentou.

continua após publicidade

O delegado disse que soube do roubo em condomínio de famosos da Bahia, como Ivete Sangalo e Bell Marques, após troca de informações com a polícia baiana. A ação teria acontecido antes dos roubos no Espírito Santo. As investigações apontaram que a maior parte da quadrilha é de São Paulo e já teria realizado assaltos na capital paulista. Acesso a imagens e conversas em celulares dos suspeitos que já estão presos mostram os integrantes percorrendo ruas em bairro nobre de São Paulo, enquanto observam e fazem comentários sobre possíveis alvos.

Uma jovem brasileira de 18 anos que também integra a quadrilha foi presa na capital paulista. Apenas no Espírito Santos, entre 2020 e 2022, a quadrilha invadiu 14 apartamentos, segundo a investigação. Em muitos casos, os alvos eram estrangeiros que, supostamente, teriam euros ou dólares em casa. Em um dos roubos, na Enseada do Suá, em Vitória, uma mulher grávida foi ferida com um golpe de chave de fenda na coxa e amarrada pelo suspeito, um rapaz jovem e bem vestido, que teve a entrada liberada na portaria.

Dos 11 integrantes do grupo criminoso já identificados, oito são jovens com menos de 30 anos. Três deles, como Tamara, têm menos de 20 anos. Geralmente, os criminosos se apresentam nos locais dos crimes demonstrando familiaridade com os locais. A investigação aponta que eles podem ter agido também em outros Estados, como Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul. A reportagem não conseguiu contato com as defesas dos suspeitos.