Mais lidas
Ver todos

    Cotidiano

    Internautas estão mais preocupados com segurança sanitária do que com a economia

    Escrito por Da Redação
    Publicado em Editado em
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

    Desde o início do isolamento social, em março, a preocupação com a pandemia provocada pelo novo coronavírus ganhou materialidade na vida dos brasileiros. Além dos sucessivos recordes diários de mortes, dos novos protocolos sanitários a seguir e da mudança nas rotinas de trabalho e pessoal, muita gente precisou adequar o orçamento. Nos casos mais extremos, famílias, sobretudo aquelas que tinham nas atividades informais sua principal fonte de renda, passaram a amargar a insuficiência de recursos para suprir necessidades essenciais, como a garantia mínima de três refeições diárias.

    Em um País marcado por desigualdades sociais, as medidas definidas para a retomada da economia serão determinantes para diminuir os impactos sobre uma parcela significativa da população que corre risco iminente de voltar à miséria. O assunto virou motivo embate entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e boa parte dos governadores, que divergem sobre a manutenção da quarentena em detrimento da retomada imediata das atividades econômicas não-essenciais.

    Apesar das discussões entre as autoridades, neste momento a parcela da população que têm acesso à internet (74% dos brasileiros, segundo a pesquisa TIC Domicílios) está mais preocupada com a Saúde. De acordo com a plataforma Civiclytics-COVID-19, 40% das publicações nas redes sociais estão relacionadas à segurança sanitária, enquanto assuntos relacionados à economia correspondem a apenas 18% das postagens.

    Fruto de uma parceria entre o Citibeats e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a ferramenta usa inteligência artificial para monitorar 'como as pessoas estão reagindo às novas situações, dinâmicas e rotinas cotidianas' online. As fontes de informação incluem desde postagens no Twitter até opiniões de pesquisas na internet.

    "O objetivo é conhecer os dados sobre a pandemia do COVID-19 para ajudar a estimular a criação de soluções inovadoras que podem ser desenvolvidas por cidadãos, governos e setor privado", diz o site.

    As categorias são escolhidas de acordo com o volume e intensidade dos dados publicados online e abrangem assuntos como fake news, segurança alimentar, teletrabalho, educação, meio ambiente e saúde mental.

    Os mais temas de maior interesse entre os usuários, além das já mencionadas segurança sanitária e economia, são o impacto cultural da crise (7,4%) e as iniciativas cívicas surgidas durante a pandemia (8,2%).

    Em comparação aos outros 25 países analisados pela plataforma, o Brasil aparece entre os três primeiros com maior preocupação em relação à circulação de notícias falsas (2,7% das publicações).

    "Compartilhando suas opiniões, as pessoas estão dando uma grande contribuição cívica e possibilitando uma visão mais detalhada dos ambientes das cidades, países e regiões, em tempo real", defende o BID.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!
    TNTV
    TNTV

    Jornal da Tribuna 2ª Edição - 01/07

    Deixe seu comentário sobre: "Internautas estão mais preocupados com segurança sanitária do que com a economia"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.