Cotidiano

Homem sem histórico de viagem é o 4º caso de Ômicron em SP

Esse é o sétimo caso confirmado de Ômicron no Brasil, sendo o quarto em São Paulo.

Da Redação ·
Imagem ilustrativa
fonte: Dado Ruvic/Reuters/Agência Brasil
Imagem ilustrativa

Um homem de 67 anos de idade,  sem histórico recente de viajens para o exterior, teve confirmada infecção pela variante Ômicron do coronavírus no estado de São Paulo. A informação foi confirmada neste sábado (11)  pela Secretaria Estadual de Saúde. 

continua após publicidade

Segundo a secretaria,  ainda não é possível confirmar se a situação configura transmissão local da nova linhagem do coronavírus. O paciente tem esquema vacinal completo contra a covid-19, inclusive com dose de reforço, e apresentou apenas sintomas leves.

"O paciente teve diagnóstico positivo para covid-19 no dia 7 de dezembro, após realizar um teste de PCR, e sua amostra foi submetida a sequenciamento genético, tendo a Ômicron como resultado. Ele está realizando isolamento domiciliar", acrescentou a secretaria em nota.

continua após publicidade

Após a confirmação da nova variante, pessoas que tiveram contato com o paciente estão sendo procuradas para determinar se o caso representaria transmissão local da Ômicron. "Ainda não é possível confirmar se a situação configura transmissão local, justamente porque está em curso esse mapeamento de contatos", disse a secretaria.

Esse é o sétimo caso confirmado de Ômicron no Brasil, sendo o quarto em São Paulo. Os demais foram identificados no Distrito Federal (2) e no Rio Grande do Sul (1). Todos esses casos foram confirmados em passageiros que chegaram ao país já infectados com a nova variante, que foi descoberta no sul da África.

A Ômicron tem gerado temores de que a grande quantidade de mutações na proteína spike do coronavírus, usada pelo vírus para infectar as células, possa significar que a variante escape da imunidade induzida por vacinas.

continua após publicidade

Alguns fabricantes de imunizantes, no entanto, afirmam que, embora seja possível que as vacinas existentes sejam menos eficazes contra a Ômicron, é provável que protejam os infectados pela nova variante contra quadros graves da covid-19.

Fonte: Agência Brasil