Cotidiano

Homem negro morre espancado por seguranças em Carrefour do RS

Da Redação ·

Um homem negro foi espancado e morto por dois homens brancos em um supermercado Carrefour, na zona norte de Porto Alegre, na noite desta quinta-feira, 19, véspera do Dia da Consciência Negra. Um dos agressores era segurança do local e o outro, policial militar temporário e as investigações apontam que ele fazia "bico" de vigilante. A vítima, João Alberto Silveira Freitas, tinha 40 anos, e foi imobilizada pelos vigias, com o joelho de um deles nas suas costas. O laudo médico apontou morte por asfixia. Os seguranças foram presos e serão indiciados por homicídio. A Polícia Civil disse apurar motivação racial.

continua após publicidade

Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram parte das agressões e o momento que João Alberto é atendido por socorristas. Em uma das gravações, ele é derrubado e atingido por ao menos 12 socos. Ao fundo, uma pessoa grita "vamos chamar a Brigada (Militar)".

Uma mulher de camisa branca e crachá, que também seria funcionária do Carrefour, aparece ao lado dos agressores, filmando. Ela já foi identificada e será ouvida. Outro registro mostra a vítima desacordada e há marcas de sangue no chão.

continua após publicidade

Milena Alves, de 43 anos, mulher da vítima, disse à Rádio Gaúcha que o marido havia feito uma brincadeira com a mão para uma atendente do Carrefour, que teria interpretado como ofensa ou até tentativa de agressão. "Ele simplesmente acenou com a mão. Era muito brincalhão." Ela foi pagar as contas e o marido se afastou. Ao descer a escada rolante, contou ver dois seguranças correndo. "Quando cheguei lá embaixo, ele já estava imobilizado. Ai pediu: 'Milena, me ajuda'. Fui, os seguranças me empurraram. Fui ver e já estava morto", diz.

Vizinho da vítima, Paulão Paquetá contou ao Estadão ter visto o espancamento. Segundo ele, as agressões duraram sete minutos. "Eu estava a uns 10 metros quando começou. Tentamos intervir, mas não conseguimos." Segundo relata, cerca de outros oito seguranças ficaram no entorno, impedindo a aproximação de quem tentava conter as agressões. "A gente gritava 'tão matando o cara', mas continuaram até ele parar de respirar, fizeram a imobilização com o joelho no pescoço do Beto, como foi com o americano." Paquetá se refere a George Floyd, negro morto por um policial branco nos EUA, em maio. O caso motivou protestos.

Ainda de acordo com Paquetá, alguns motoboys que filmaram a violência tiveram os celulares tomados para não registrar toda a ação. Ele ainda disse que há outros relatos de truculência por parte de seguranças do supermercado no bairro.

continua após publicidade

Os dois seguranças terceirizados do Carrefour, Giovane Gaspar da Silva, PM temporário, e Magno Braz Borges serão indiciados por homicídio triplamente qualificado - por motivo fútil, asfixia e impossibilidade de defesa da vítima. Segundo a delegada Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, mais envolvidos são investigados por omissão de socorro. À tarde, ela disse que não ver "cunho racial" no crime. À noite, a chefe de Polícia do Estado, delegada Nadine Anflor, afirmou que ainda apuram se houve motivação racial.

Empresas

O CEO global do Carrefour, o francês Alexandre Bompard, afirmou que a empresa "não compactua com racismo e violência" e que pediu ao Carrefour Brasil que haja "revisão completa" do treinamento dos colaboradores e de terceiros sobre segurança, respeito à diversidade e valores de respeito e repúdio à intolerância. Com mensagens em português no Twitter, afirmou que as imagens "são insuportáveis".

continua após publicidade

Em nota, o Carrefour Brasil classificou a morte de "brutal" e disse que adotará "medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos". Prometeu romper contrato com a empresa responsável pelos seguranças e que o funcionário no comando da loja durante o ato "será desligado".

O Grupo Vector, empresa terceirizada de segurança, disse não tolerar violência e que "se sensibiliza" com a família da vítima. Ainda alegou que os colaboradores recebem treinamento que zela pelo respeito à diversidade. O Comando da Brigada Militar destacou que um PM temporário (função de um dos agressores) só pode realizar funções administrativas e não policiamento nas ruas. Disse ainda que ele será retirado da corporação.

continua após publicidade

'Nós esperamos justiça', diz pai de morto

João Batista Rodrigues Freitas, de 65 anos, lamentou nesta sexta-feira, 20, a morte de seu filho, João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, espancado e morto no estacionamento do Carrefour. "Nós esperamos por Justiça. As únicas coisas que podemos esperar é por Deus e pela Justiça. Não há mais o que fazer. Meu filho não vai mais voltar", disse.

Segundo Freitas, enquanto estava sendo agredido, o filho tentou pedir socorro à mulher, Milena Borges Alves. "Ela me contou que o segurança apertou o meu filho contra o chão, e ele já estava roxo. Fazia sinal com a mão para ela fazer alguma coisa, tirar o cara de cima e um outro segurança empurrou a Milena."

Na entrada do Departamento Médico Legal, ele relatou que estava num culto evangélico quando recebeu a ligação da nora pedindo ajuda. "Foi uma coisa horrível. Espero que ninguém passe por isso. Perder o filho daquela maneira, sendo agredido bruscamente por facínoras. Chamar aquilo de segurança é desmerecer os verdadeiros seguranças. Eu não sei o que leva a pessoa a agir desta forma. Para mim este crime teve um grau de racismo. Não é possível, uma pessoa ter tanta fúria de outra pessoa. Espero que a Justiça seja feita", desabafou.

"Quando eu cheguei os paramédicos já estavam nos últimos atendimentos. Logo em seguida, ele não teve mais recuperação. Agora, não temos mais o que fazer", disse emocionado.

À reportagem, o pai descreveu o filho como um homem tranquilo. Além disso, comentou que a vítima e a esposa há anos fazem compras no mesmo supermercado. "Eles frequentavam o mercado quase todos os dias. Ele até me incentivou a fazer um cartão do mercado. Nunca tivemos problemas e nunca discutimos ou batemos em ninguém", afirmou o pai logo após a morte do filho.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.