Cotidiano

Grávida morre enforcada com o próprio cabelo em entrevista

Jovem de 21 anos participava de entrevista de emprego em fábrica de fios de solda e eletrodos

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Grávida morre enforcada com o próprio cabelo em entrevista
fonte: East2west News/Reprodução

Durante uma entrevista de emprego em Bielorússia, na Europa, uma jovem de apenas 21 anos morreu estrangulada com o próprio cabelo. Segundo o Daily Mail, Umida Nazarova estava grávida de dois meses e se candidatava para uma vaga de emprego em uma fábrica produtora de fios de solda e eletrodos.

continua após publicidade

Funcionários responsáveis mostravam o funcionamento da empresa para a mulher, quando o cabelo dela, que estava solto, ficou preso em uma das máquinas, enrolado ao redor do pescoço. Ela foi puxada bruscamente para dentro do mecanismo, ficou presa e coberta de sangue e teve o couro cabeludo completamente arrancado no acidente.

Olga, mãe da jovem, falou que a garganta dela ficou gravemente ferida e que ela só não morreu na hora porque o couro cabeludo foi totalmente arrancado. “Se seu couro cabeludo não tivesse sido arrancado, ela teria sido estrangulada ali mesmo pelos próprios cabelos", relatou a mãe.

continua após publicidade

Apesar de não falecer no momento do acidente, Umida Nazarova perdeu o bebê e, devido aos ferimentos extremamente graves, nunca conseguiu recobrar a consciência e foi declarada morta algum tempo depois, como informou o pai da moça.  “Eles tiraram duas vidas”, lamentou.

O caso foi investigado pelo Comitê de Investigação da Bielorrússia que  afirmou que o funcionário responsável pela entrevista, um chefe de produção, mostrava a fábrica para a jovem e parou a apresentação por alguns momentos para fazer um registro. Quando virou a cabeça, já viu a mulher caída no chão inconsciente e o cabelo dela emaranhado na máquina.

Ele foi condenado pelo tribunal, com a declaração de "não cumprimento de seus deveres oficiais devido a atitude desonesta e negligente… causando a morte de uma pessoa.”

continua após publicidade


Fonte: Metrópoles.