Cotidiano

Governo de SP anuncia na quarta se flexibiliza uso de máscara ao ar livre

Da Redação ·

O Estado de São Paulo estuda novamente sobre o fim do uso obrigatório de máscaras ao ar livre. Segundo o governador João Doria (PSDB), a medida é avaliada pelo comitê formado por especialistas escolhidos pela gestão para orientar as medidas sanitárias durante a pandemia da covid-19.

continua após publicidade

"Através do comitê científico, estamos analisando a perspectiva e a possibilidade da liberação do uso de máscaras ao ar livre", disse Doria. O anúncio com a decisão será na próxima quarta-feira, 9 de março.

Em novembro do ano passado, o governo chegou a anunciar a flexibilização. Contudo, com o avanço da Ômicron, recuou na determinação antes que a medida entrasse em vigor.

continua após publicidade

Estudos têm apontado que a chance de transmissão da doença é menor em ambientes ao ar livre, enquanto é mais alta em locais fechados e sem ventilação, mesmo quando há distanciamento social. Contudo, o fim da obrigação tem dividido especialistas.

"Dados da pandemia são bastante significativos em termos de melhora e ao mesmo tempo a vacinação. São Paulo atingiu mais de 100 milhões de doses da vacina distribuídas e mais de 20 milhões de doses da vacina foram dadas como dose adicional para os 30 milhões que precisamos objetivar. E, ao mesmo tempo, temos mais de três milhões de doses que foram dadas na população pediátrica entre 5 e 11 anos", acrescentou o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Segundo ele, o Estado apresenta queda de 62% nas internações nas enfermarias e 52% nas internações nas Unidades de Terapias Intensivas (UTIs). O País tem registrado uma média de 509 mortes diárias por covid-19, com aumento na proporção de vítimas idosas.

continua após publicidade

Discussão sobre tirar a máscara das crianças nas escolas divide pais e especialistas

Depois de os Estados Unidos e países europeus flexibilizarem nas últimas semanas o uso de máscaras por crianças em escolas, o debate ganha força no Brasil. Estudos científicos publicados recentemente sobre o tema não são conclusivos. Alguns apontam impactos importantes nas interações com professores e colegas. Outros não reportam esses efeitos.

A polêmica também divide famílias e especialistas. Um grupo preocupa-se com prejuízos ao desenvolvimento das crianças, nas relações sociais e na alfabetização. E outros apontam o fato de os menores não estarem com o esquema vacinal completo e dizem que os índices de casos e mortes por covid-19 ainda são altos para deixar de usar máscaras.

continua após publicidade

Segundo apurou o Estadão, o tema já começa a ser discutido no governo de São Paulo e com entidades da rede particular, mas ainda com ressalvas. A segunda quinzena de março é considerada como uma possibilidade para que as máscaras possam passar a ser flexibilizadas no Estado e em escolas, dependendo da gravidade da pandemia após o carnaval.

A gestão Eduardo Leite (PSDB) anunciou no sábado, 26, a suspensão da obrigatoriedade de máscaras para menores de 12 anos no Rio Grande do Sul.

Decisão semelhante foi adotada por Santa Catarina. O governo flexibilizou o uso de máscaras para crianças de 6 a 12 anos de idade. De acordo com decreto publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) de quarta-feira, 2, o uso da proteção deixou de ser obrigatório para essa faixa etária. Caberá aos pais ou responsáveis decidirem se a criança deverá fazer o uso ou não.

"O uso de máscaras de proteção individual por crianças de 6 a 12 anos fica sob responsabilidade dos pais ou do responsável que deverão supervisionar a correta utilização da máscara, sua colocação e retirada", conforme a publicação oficial.

Além disso, segundo o artigo, não está excluída a recomendação da Secretaria estadual da Saúde quanto à utilização de máscara por todos os públicos em ambientes fechados e também em ambientes abertos onde haja aglomeração de pessoas. "No caso, a obrigação do uso somente é dispensada para pessoas com transtorno do espectro autista, com deficiência intelectual, com deficiências sensoriais ou quais outras deficiências que as impeçam de fazer o uso adequado de máscara de proteção facial, conforme declaração médica, que poderá ser obtida por meio digital, bem como no caso de crianças com até 12 anos de idade", consta no decreto.