MAIS LIDAS
VER TODOS

DESENVOLVIMENTO

Especialistas se reúnem e repercutem 'Agenda 2030'; entenda

ESG, IA, saúde mental e direitos humanos são considerados pontos-chave para a construção de um futuro mais justo e sustentável

Da Redação

·
Imagem ilustrativa
Icone Camera Foto por Freepik
Imagem ilustrativa
Escrito por Da Redação
Publicado em 16.02.2024, 10:15:12 Editado em 16.02.2024, 10:15:26
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

Uma das principais referências que governos, organizações internacionais, setor privado e sociedade civil têm adotado na busca por um desenvolvimento sustentável é a “Agenda 2030”, conjunto de metas e ações proposto pela ONU, em 2015, para enfrentar os desafios urgentes que afetam o bem-estar humano e o futuro do planeta, levando em consideração tanto as necessidades presentes quanto as futuras gerações.

continua após publicidade

Nesse contexto, empresas têm se preocupado cada vez mais em deixar um legado positivo para a sociedade. É por isso que ganhou destaque, nos últimos anos, a sigla ESG, que reúne as iniciais das palavras “Ambiental”, “Social” e “Governança” em inglês. O conceito por trás dessa sigla é que a preocupação com o futuro se traduza em ações concretas, por parte das organizações, diante do contexto socioambiental no qual cada instituição — seja de grande, médio ou pequeno porte — está inserida.

Como a sigla sugere, esse movimento é baseado em três pilares. O primeiro deles é o pilar ambiental, que envolve as ações e políticas que uma empresa adota para minimizar seu impacto no meio ambiente, como redução das emissões gases poluentes, a utilização eficiente dos recursos naturais, a gestão sustentável dos resíduos, a adoção de fontes de energia renováveis ​​e mais eficientes e a proteção da biodiversidade, do ar e da água.

continua após publicidade

O segundo pilar é o social, que inclui políticas externas que promovem o bem-estar e o tratamento justo dos colaboradores, bem como o envolvimento nas comunidades locais. Ele inclui também iniciativas para construir a diversidade dentro da empresa e entre fornecedores, além de prezar pela responsabilidade social de toda a cadeia produtiva.

O terceiro pilar é a governança. Ou seja: a estrutura que a empresa possui para controlar seu funcionamento interno, garantindo a adoção de boas práticas de gestão e mecanismos de responsabilização. Esse pilar também aborda a ética empresarial, bem como políticas sobre transparência, responsabilidade fiscal, combate à corrupção, salvaguarda dos direitos dos acionistas e conformidade com a lei.

Saúde mental e ESG

No pilar social, um dos maiores desafios que as companhias enfrentam hoje é lidar com a saúde mental, que é um dos temas do Relatório de Riscos Globais publicado pelo Fórum Económico Mundial. Atualmente, as empresas comprometidas com a agenda ESG se esforçam para criar um ambiente de trabalho saudável e que acolha a todos, além de desenvolver programas de diversidade e inclusão, práticas de integração de equipes, canais de escuta, planejamento de carreira e outras medidas para garantir o bem-estar dos colaboradores.

 Guilherme Bernardino
Foto por @chellefotografa
Guilherme Bernardino
continua após publicidade

Para o especialista em saúde mental e psicanalista Guilherme Bernardino, essa questão é um dos pontos cruciais da agenda ESG. “As organizações reconheceram que, para terem sucesso e prosperarem, devem cuidar dos seus funcionários. Afinal, não adianta falar com o mercado sobre ESG se não houver comprometimento de entender e ouvir as necessidades fundamentais da equipe”, explica. “Até porque ninguém tem capacidade de trabalhar, produzir e gerar recursos se não tiver uma mente saudável”.

Guilherme destaca, ainda, que a saúde mental se enquadra perfeitamente no pilar social, mas também pode estar ligada aos outros dois. “Quando falamos em meio ambiente, podemos pensar nos efeitos da poluição e das mudanças climáticas que afetam a saúde das pessoas”, afirma. “Em relação à governança, podemos compreender a importância das empresas prestarem serviços psicológicos aos seus colaboradores, além de impulsionarem iniciativas que trabalham esse tema”.

A área de Recursos Humanos das empresas ganha, portanto, uma importância especial no tratamento desse tema, afinal, é responsável por gerir as relações de trabalho no ambiente interno, promover boas práticas e ações, pensar em iniciativas e estratégias para melhorar o clima organizacional e fortalecer a cultura empresarial entre os colaboradores. Além disso, o setor de RH também tem de agir para garantir diversidade e inclusão nas contratações e na estrutura de comando das organizações.

continua após publicidade

Guilherme Bernardino lembra, ainda, que uma força de trabalho diversificada pode trazer diversas vantagens para as empresas, tornando-as mais produtivas e inovadoras. O especialista considera, por fim, que todo o investimento em ESG é, na verdade, um investimento na proteção dos direitos humanos. “Podemos viver livremente num ambiente de igualdade, amor fraterno e paz. Nesta definição, vê-se claramente a interligação entre os direitos humanos e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas”, diz ele.

Sustentabilidade e tecnologia

Novas tecnologias, como a inteligência artificial (IA), também pode, auxiliar as empresas a se adaptarem aos critérios ESG. otimizando seus processos e maximizando seus impactos positivos em termos ambientais, sociais e de governança.

 Bendev Junior
Foto por Reprodução/Instagram
Bendev Junior

O programador, tech influencer e empreendedor Bendev Junior explica, por exemplo, que por meio da análise de dados ambientais, podemos coletar, analisar e interpretar informações como emissões de carbono, consumo de energia e uso de água. “Isso nos permite compreender melhor o impacto ambiental das operações empresariais e identificar oportunidades para melhorias”, diz ele.

O especialista destaca que IA também pode ser usada para prever e mitigar riscos, como desastres naturais e problemas trabalhistas, permitindo que as empresas se preparem adequadamente para situações adversas. Quanto à transparência, sistemas baseados em IA ajudam as empresas a rastrear e relatar suas práticas ESG de forma mais precisa e transparente, o que fortalece a confiança dos investidores.

Além disso, a IA pode ser utilizada para avaliar o impacto social das atividades empresariais, incluindo o bem-estar dos funcionários, práticas de contratação inclusivas e investimentos em comunidades locais. Isso permite que as empresas identifiquem áreas para melhoria e façam ajustes em suas políticas e práticas. “Um dos aspectos mais importantes é a tomada de decisão baseada em dados”, explica Bendev. “Ao analisar grandes volumes de informações, a IA pode ajudar as empresas a tomar decisões mais informadas e alinhadas com seus objetivos ESG”.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Cotidiano

    Deixe seu comentário sobre: "Especialistas se reúnem e repercutem 'Agenda 2030'; entenda"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!