Cotidiano

Enem 2021 será realizado nos dias 21 e 28 de novembro, diz ministro da Educação

Da Redação ·

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será realizado nos dias 21 e 28 de novembro. O anúncio foi feito em publicação por rede social nesta segunda-feira, 31. Segundo o titular da pasta, os editais devem ser publicados nesta semana e as versões impressa e digital da prova acontecerão na mesma data.

continua após publicidade

"Conforme eu já havia anunciado dias atrás, o Enem 2021 acontecerá e será aplicado neste ano. As provas serão aplicadas nos dias 21 e 28 de novembro, para as versões impressa e digital. É isso mesmo! A mesma prova, nas mesmas datas, para as duas modalidades", publicou Ribeiro, em sua conta no Twitter.

Ainda de acordo com o ministro, as inscrições ficarão abertas entre os dias 30 de junho e 14 de julho. Os candidatos devem fazer a inscrição pela Página do Participante.

continua após publicidade

Nas últimas semanas, a realização do Enem 2021 virou alvo de dúvidas. O edital do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão ligado ao MEC e responsável pelo exame, necessário para que todos os processo comecem, normalmente sai em março e as inscrições começam em maio.

No dia 13, o Estadão revelou que o próprio ministro mandou ofício a Paulo Guedes dizendo que não havia orçamento no MEC para fazer a prova. O custo do Enem 2021 foi estimado em R$ 700 milhões.

Para servidores, o prazo também estava cada vez mais curto. A preocupação era que, se as inscrições não fossem abertas até início de junho, não haveria tempo para elaboração, impressão, distribuição e logística da prova. Para serem feitos com segurança, os processos duram 170 dias. Na semana passada, o diretor da área responsável pela prova foi exonerado após passar pouco mais de dois meses no cargo.

continua após publicidade

Um levantamento exclusivo do Sindicato do Ensino Superior (Semesp), obtido pelo Estadão e divulgado nesta segunda-feira, 31, indica que se o exame ficasse para janeiro resultaria em um gasto adicional de R$ 500 milhões só para as universidades federais.

O levantamento do Semesp, entidade que representa instituições de todo o País e responde por três em cada quatro matrículas na educação superior, parte do custo oficial do Enem por aluno, de R$ 117, e considera que essas universidades públicas teriam de realizar vestibulares para mais de 4 milhões.

"Serão bastante graves as consequências econômicas e sociais do adiamento, que vêm se somar à preocupante crise provocada pelo corte no orçamento das universidades federais, e a um cenário ainda cheio de incertezas, com a falta de previsões concretas sobre a imunização efetiva da população contra a covid-19", afirmou na semana passada a presidente do Semesp, Lúcia Teixeira.

A organização enviou três ofícios no dia 17, solicitando o não adiamento do Enem aos ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Educação, Milton Ribeiro, assim como ao presidente do Inep, Danilo Dupas.