Cotidiano

Emocionada, médica da Fiocruz prega Revolta da Vacina ao contrário

Da Redação ·

A pneumologista da Fiocruz Margareth Dalcolmo, uma das médicas mais ativas durante a pandemia de covid-19, foi homenageada nesta terça-feira, 8, com o prêmio de personalidade do ano pelo braço carioca do grupo de empresários Lide. Na cerimônia, que teve o prefeito eleito Eduardo Paes (DEM) como convidado de honra, Margareth se emocionou e fez um apelo para que a população, o poder público e o empresariado abracem a causa da vacinação.

continua após publicidade

"Nós precisamos de uma Revolta da Vacina ao contrário. Hoje, ao contrário do que aconteceu naquela época, precisamos que o Rio compareça", disse, referindo-se ao episódio de 1904 em que os moradores da cidade se revoltaram contra a vacinação da varíola coordenada pelo médico Oswaldo Cruz. O sanitarista dá nome à fundação da qual a homenageada faz parte.

"Não é possível que o Rio e as demais capitais brasileiras não vão ter vacina por não ter um freezer que a mantenha a -80 graus. Os empresários daqui vão botar freezer", vaticinou, enfaticamente, Margareth, que depois da cerimônia foi procurada pela classe empresarial ali presente.

continua após publicidade

No mesmo evento, realizado na zona sul do Rio e que teve como tema a responsabilidade social, foram premiados o Movimento União Rio, na categoria empresa, e o empresário Romeu Domingues, que ganhou como liderança empresarial do ano. Quase todos os participantes celebraram a volta de Paes à prefeitura quando foram convidados a discursar. "É uma alegria vê-lo de volta", disse a pesquisadora da Fiocruz para o prefeito eleito.

Paes afirma que conversa com Doria não teve pedido por vacina

Questionado pela imprensa sobre a vacinação no Rio, Paes falou que a conversa entre ele e o governador paulista João Doria (PSDB), citada pelo tucano nesta segunda, não envolveu um pedido formal para envio da vacina CoronaVac. "Eu não sou o prefeito ainda, temos que ter responsabilidade nesse tema. Estou dialogando, meu secretário está conversando. Vamos tratar disso a partir de 1º de janeiro", disse.

continua após publicidade

Segundo o prefeito eleito, a conversa com Doria se deu por causa da nomeação do tucano Cristiano Beraldo para a Secretaria de Turismo do Rio, e o papo sobre a vacina ocorreu de forma despretensiosa.

"O governador João Doria é uma pessoa com quem me relaciono muito bem, tenho muita intimidade. Ele não faltou com a verdade. Eu disse que gostaria de discutir sim o tema, mas quem tem que discutir são os técnicos", apontou, dizendo que apenas "manifestou uma angústia" ao comentar que gostaria de ter a vacina antes de março. "A gente está na linha de esperar que tenha um programa nacional de imunização, que é o normal."