Cotidiano

Depois de fecharem BR-163, garimpeiros prometem bloqueio da Transamazônica

Da Redação ·

Uma nova manifestação de garimpeiros está marcada para ocorrer a partir da meia-noite desta segunda-feira, 14, com o bloqueio do tráfego na Transamazônica. Por meio de trocas de mensagens, os garimpeiros planejam fechar a BR-230 na altura do chamado "Km 30", trecho da estrada localizado no distrito de Campo Verde, no município de Itaituba, no Pará. O Estadão teve acesso a uma série de áudios, nos quais os garimpeiros pedem a mobilização para fechar a estrada e fazer pressão sobre o governo contra a queima de equipamentos usados em suas atividades clandestinas.

continua após publicidade

Na sexta-feira, 11, garimpeiros bloquearam a BR-163, que corta a Transamazônica na região de Itaituba. Uma fila de dez quilômetros de extensão de caminhões chegou a se formar na rodovia, majoritariamente usada para o transporte de grãos rumo aos portos da região Norte do País. No domingo, a Justiça Federal determinou o desbloqueio imediato da rodovia, o que foi atendido pelos manifestantes.

O alvo dos garimpeiros são os agentes da Polícia Federal e do Ibama que, em operações realizadas na região, têm executado a destruição de máquinas e equipamentos utilizados na região pelo garimpo ilegal. Essas destruições têm amparo legal, são autorizadas pela Justiça e executadas conforme os protocolos de segurança previstos para esse tipo de operação.

continua após publicidade

Cada uma dessas operações tem sido informada previamente ao Palácio do Planalto, que não se manifesta a respeito. A reportagem questionou a Polícia Rodoviária Federal sobre a mobilização prevista na Transamazônica. Não houve resposta até o fechamento deste texto.

As mobilizações dos garimpeiros se espalham por meio de WhatsApp. Em mensagens, eles pedem ajuda financeira para bancar as paralisações, com compra de alimentos e água.

O "Km 30" é o local de entroncamento da BR-163 com a Transamazônica. Os caminhões que partem do Mato Grosso e região rumo ao Pará, seguem pela BR-163, até acessar a Transamazônica e, 30 quilômetros depois, chegaram ao distrito de Miritituba, em Itaituba, onde há uma série de portos fluviais erguidos na beira do Rio Tapajós. Trata-se, atualmente, de um dos principais trajetos de escoamento de grãos do País.

continua após publicidade

Em fevereiro, Bolsonaro publicou um decreto para transformar as atividades dos garimpeiros em "mineração artesanal". Seu argumento é de que tem o objetivo de "propor políticas públicas e estimular o desenvolvimento da mineração artesanal e em pequena escala", para estimular o "desenvolvimento sustentável regional e nacional".

Desde a sua pré-campanha à Presidência, Bolsonaro defende a atividade do garimpo. O presidente já chegou a dizer que "garimpeiros não são bandidos" e que "merecem toda a consideração". No Ibama, há relatos de perseguição a servidores do órgão que realizaram a destruição de máquinas usadas nas atividades ilegais.