Mais lidas

    Cotidiano

    Cotidiano

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 01.03.2021, 17:04:00 Editado em 03.03.2021, 13:28:17
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    Após o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretar lockdown (fechamento) para conter o avanço da covid-19, o Conselho Regional de Medicina (CRM-DF), enviou, nesta segunda-feira 1º, nota contrária às medidas sanitárias implementadas pelo governo. O conteúdo também está no site oficial da entidade. O Estadão apurou ainda que o conselho também enviará o mesmo posicionamento às assessorias dos deputados federais.

    Na nota, o CRM diz que "tal medida já se mostrou ineficaz, condenada até mesmo pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS) nas palavras do Dr. David Nabarro: 'O lockdown não salva vidas e faz os pobres muito mais pobres'". Como o Estadão mostrou em outubro do ano passado, por meio do projeto Comprova, a frase do enviado da OMS foi retirada de contexto em publicações na internet para sugerir que a entidade condena o lockdown.

    Na ocasião, David Nabarro de fato destacou os impactos econômicos e sociais negativos dos lockdowns. Isso não significa, no entanto, que a OMS seja contrária à medida ou que a considere ineficaz. Na mesma entrevista, Nabarro afirmou que os lockdowns são justificados em momentos de crise, para reorganizar os sistemas de saúde e proteger os profissionais que estão na linha de frente do combate à doença. A ideia desta prática é "achatar a curva" de contágio, evitar a superlotação de hospitais e, depois, permitir a reabertura das economias.

    O Conselho do DF cita o Amazonas como exemplo negativo da medida. "Estado com maior índice de isolamento social do Brasil, apresentou o maior número de internações e mortes por covid-19, cerca de 30-45 dias após o primeiro lockdown, sendo ainda mais imediato, após o segundo, configurando mais uma evidência do fracasso dessas medidas extremas de restrição", diz o texto. Especialistas em saúde têm defendido o lockdown como forma de conter o avanço do vírus, em fases mais descontroladas da pandemia.

    Para o CRM, ações preventivas eficazes estão relacionadas a campanhas de educação sobre medidas individuais de higiene, uso de máscaras, distanciamento social, vacinação populacional e ostensiva fiscalização por parte do governo, mas "nunca pela decretação de lockdown".

    OMS

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) desde o início da pandemia considera que o lockdown é uma das formas conhecidas de combate ao coronavírus. Em 1º de abril de 2020, Michael Ryan, diretor-executivo do Programa de Emergências da entidade, afirmou: "Além das medidas de lockdown, precisamos de estratégias abrangentes baseadas em vigilância, em intervenção de saúde pública, detecção de casos, testagem, isolamento, quarentena, e fortalecer nossos sistemas de saúde para absorver o golpe".

    O Distrito Federal é uma das unidades da Federação que, nos últimos dias, elevaram as medidas de restrição para o comércio. O movimento é uma reação ao aumento da ocupação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em várias regiões, em um momento em que a vacinação ainda não deslanchou. Dados do Ministério da Saúde mostram que no Distrito Federal 295.615 pessoas já se contaminaram com a covid-19, ou 9,8% da população. Deste total, 4.831 pessoas morreram (1,6% dos contaminados).

    Na última quinta-feira, o governador já havia decidido restringir o funcionamento dos estabelecimentos comerciais das 20 horas às 5 horas. Na sexta-feira, porém, com os leitos de UTIs específicos para pacientes de covid-19 com 98% de ocupação, Ibaneis decidiu intensificar as restrições.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Cotidiano

    Deixe seu comentário sobre: "CRM-DF publica nota contrária ao lockdown"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.