Covid avança em bairros nobres de SP - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Cotidiano

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Dados da quinta fase do inquérito sorológico feito com adultos na cidade de São Paulo (pessoas acima de 18 anos) mostraram um avanço do novo coronavírus em bairros nobres, principalmente da região centro-oeste. De acordo com o estudo, a região, que no penúltimo inquérito sorológico apresentava uma prevalência de 5,2%, passou agora para 10,3%. Isso significa que um a cada 10 moradores da região já têm anticorpos para a doença. Houve aumento também nas regiões leste (que passou de 12,3% para 19,6%) e norte (de 8,3% para 12,1%). Em bairros de IDH alto, a alta foi de 53%.

"Não podemos deixar de destacar esse aumento em distritos de maior índice de desenvolvimento humano (IDH), um aumento de 100% na região centro-oeste, uma das mais ricas da cidade. Os inquéritos ajudam a implementar políticas específicas para cada fase. E acende uma luz amarela esse aumento na classe A e B", disse o prefeito Bruno Covas (PSDB).

Na coletiva, não foram explicados os motivos que estariam levando a esse crescimento em bairros nobres, mas em entrevista ao Estadão na semana passada, o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, afirmou que a alta está acontecendo na população que conseguiu fazer melhor o isolamento social durante o auge da pandemia, mas que agora está saindo às ruas, no comércio, em bares e restaurantes, e está sendo infectada. No entanto, segundo ele, esse dado não é indicativo de uma segunda onda iminente.

Especialistas afirmam que, por mais que a flexibilização da quarentena esteja sendo gradual, o comportamento das pessoas pode ser um dos responsáveis por esse crescimento.

Mesmo diante do avanço em bairros nobres, a covid-19 ainda é mais prevalente em bairros de IDH mais baixo. A prevalência é de 19,1%, tendo registrado um aumento de 36% da doença em relação ao último inquérito. Já os bairros de IDH médio têm prevalência de 13,2% e tiveram uma variação de apenas 1,1%. Nos bairros de IDH alto, esse índice é de 9,5%.

O inquérito mostra, no entanto, que quando o recorte é feito por classe social, pessoas das classes D e E têm seis vezes mais chances de pegar a doença, com taxa de 18,7%, que pessoas da classe A (3,1%).

O estudo também mostra que a prevalência continua sendo mais alta entre jovens, sendo de 15,4% entre pessoas de 18 a 34 anos. Entre os que tem 35 a 49 anos, esse índice é de 14,6%.

Os resultados mostram também que 13,9% dos entrevistados já tinham anticorpos para a covid-19. Isso equivale a 1,6 milhão de pessoas na cidade.

O inquérito sorológico foi feito entre os dias 25 e 27 de agosto com amostragem por sorteio aleatório de abrangência de 472 unidades básicas de saúde (UBS) e o teste aplicado foi o imunocromatográfico IGM/IGG.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Covid avança em bairros nobres de SP"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.