Como tornar a cidade mais sustentável - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Cotidiano

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Vivemos o século das cidades. É nelas que estão a maioria dos problemas, das soluções e das pessoas. Cada vez mais. Até 2050, seremos 70% da população mundial em ambientes urbanos. Uma retomada verde passa, portanto, por transformações profundas no modo de viver, trabalhar, transitar, se divertir, de socializar - e tudo isso depende do planejamento urbano.

Urbanistas, cientistas, biólogos, engenheiros e políticos de metrópoles mundo afora tentam organizar as mudanças. Os exemplos se espalham, mas vêm muito mais de realidades que apostaram em transformações do que de iniciativas de novas cidades erguidas em áreas hoje sem uso. Para muitos especialistas, uma cidade mais sustentável, do futuro, é aquela que souber se reinventar.

Isso ocorre com mudanças de paradigma, de ações para liquidar desigualdades e da tecnologia, para vivermos de novo em sinergia com o ambiente. "Se quisermos manter algum senso de equilíbrio com a natureza, precisamos integrá-la de modo muito mais presente", defende Fabiano Lemes de Oliveira, professor na universidade Politécnico de Milão e autor do livro Green Wedge Urbanism: History, Theory and Contemporary Practice (Urbanismo de Cunhas Verdes: História, Teoria e Prática Contemporânea), sem edição em português.

Para ele, a mudança virá com um planejamento de cidades policêntricas, em que serviços, lazer, trabalho e transporte estão disponíveis em deslocamentos curtos. Em Paris, a ideia é de uma cidade de 15 minutos para resolver todas as necessidades, o que inclui mudar espaços públicos, das calçadas às escolas.

Nas capitais latino-americanas, cuja urbanização foi mais desordenada, a mudança passa também por adensar áreas mais bem servidas. "O desafio fundamental é a necessidade de se pensar cidades que tenham capacidade de acolher mais gente, fazer isso de um modo com que não aumentemos o impacto no planeta e, se possível, aumentar a presença da natureza nas áreas urbanas", diz Oliveira.

Esse adensamento deve ocorrer junto de melhorias do ambiente urbano. Uma das aplicadas, em cidades como Estocolmo e Copenhague, é a da implementar cunhas verdes, áreas naturais que começam mais reduzidas no centro e se expandem em direção às periferias. Elas reúnem potenciais para lazer, agricultura urbana, corredor ecológico (ao atrair a fauna) e ambiental (por facilitar a drenagem urbana, absorver dióxido de carbono e reduzir o efeito das ilhas de calor).

Para o coordenador do programa USP Cidades Globais, Marcos Buckeridge, serão necessários ainda novos materiais e tecnologias, na construção civil e no transporte. Entre os exemplos, estão o uso da cana-de-açúcar para gerar energia elétrica, concretos que absorvem menos calor e redes de gerenciamento de energia para redistribuição em horários de menor consumo. "A ideia é que se aplique a ciência. Não adianta fazer um prédio maravilhoso, que seria considerado sustentável, se chega uma energia poluidora."

Essa transformação também envolve oferta diversificada de transporte para todos, destaca Luis Antonio Lindau, diretor do programa de cidades do WRI Brasil, instituição internacional de desenvolvimento sustentável. "Não dá mais para a gente ficar pensando que um veículo ou um único modo vai resolver a questão do transporte. A gente deveria ter como meta uma rede integrada e multimodal."

Isso inclui restringir a circulação de veículos, como inspeção veicular (e taxar os mais poluentes), trocar ônibus a diesel por opções mais sustentáveis, controlar vagas de estacionamento e até zonas de ar limpo, que proíbem certos transportes.

No caso de intervenções menores, por exemplo, o impacto pode ser no microclima e no acesso ao lazer. É o caso, por exemplo, dos pocket parques no México, em que terrenos baldios e antigos estacionamentos foram convertidos em pequenos jardins e áreas verdes.

Henrique Evers, gerente de desenvolvimento urbano na WRI Brasil, diz que um investimento com propostas mais sustentáveis traz melhor resultado em médio e longo prazo. "É possível ter prosperidade e desenvolvimento econômico aliados a soluções que também protegem o ambiente. O mais rápido e fácil é sempre manter os modelos antigos, que nos levaram ao que a gente tinha, do velho anormal, mas o investimento em um novo tipo de infraestrutura, com benefício social, econômico e ambiental", afirma.

Rios

A urbanista Perola Brocanelli, da Universidade Mackenzie, defende a renaturalização de rios e da mata ciliar. "Não é plantar árvore bonita. É deixar o capinzão de várzea, meio alagado", diz.

"Grandes áreas verdes ao longo dos rios podem se transformar em células de purificação." Ela diz que é preciso conhecer mais a hidrografia das cidades, para entender onde estão várzeas e outras áreas alagáveis e vetar novas construções no entorno. Com a renaturalização e o tratamento da água, esses espaços também se tornam áreas de lazer, quase "praias urbanas". "Crescer sobre os rios é uma sentença de morte."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Como tornar a cidade mais sustentável"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Todos os candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.