Cotidiano

Com doença rara, garota de 10 anos morre 'de velhice'

Menina ucraniana convivia com a síndrome de Hutchinson-Gilford, conhecida também como progéria

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Com doença rara, garota de 10 anos morre 'de velhice'
fonte: Reprodução/Daily Mail
Com doença rara, garota de 10 anos morre 'de velhice'

Com apenas 10 anos, a jovem artista ucraniana morreu em consequência de uma condição genética rara. Iryna 'Irochka' Khimich convivia com a síndrome de Hutchinson-Gilford, conhecida também como progéria, uma doença que faz com que crianças envelheçam num ritmo mais acelerado que o normal.

continua após publicidade

A garota pintava quadros e estava vendendo suas obras para pagar um tratamento nos Estados Unidos. Ela planejava uma exposição de suas pinturas na França, mas morreu na quarta-feira (30). 

Conforme seus médicos, Iryna tinha a estrutura corporal semelhante a de um idoso de 80 anos. Eles explicaram que, a cada ano que se passava, seu organismo envelhecia quase uma década.

continua após publicidade

A mãe da menina, Dina, de 39 anos, contou a notícia em suas redes sociais no dia 1º de julho. "Irochka morreu. O coração dela parou ontem. Desculpe, meu raio de sol, não pudemos te salvar desta vez", escreveu. 

O que é progéria?

Também conhecida como síndrome de Hutchinson-Gilford, a progéria é uma condição genética rara que faz com que as crianças envelheçam em um ritmo muito mais acelerado do que o esperado. Ela é causada pela mutação de um gene que leva ao acúmulo da proteína "progerina". É ela quem desencadeia um processo de envelhecimento mais rápido.

continua após publicidade

Conforme a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), os primeiros sintomas de envelhecimento precoce começam a aparecer apenas por volta por 18 meses de vida do bebê. Queda de cabelo, perda de gordura, pele fina e enrugada, osteoporose, lábios finos e voz anormal são alguns dos sinais. 

Atualmente, ainda não há cura para a progéria. A expectativa média de vida de uma criança com essa condição é de 13 anos. Nesse caso, problemas cardíacos costumam ser a causa de morte mais comum. 

As informações são da Revista Crescer.