Cotidiano

Cinco pessoas são mortas na fronteira Brasil - Paraguai

As polícias brasileira e paraguaia investigam os assassinatos e se há relação entre eles.

Da Redação ·

Cinco pessoas foram executadas em menos de 24 horas na região de fronteira entre Brasil e Paraguai. Entre as vítimas está Farid Charbell Badaoui Afif, de 37 anos, vereador de Ponta Porã, cidade sul-mato-grossense vizinha à paraguaia Pedro Juan Caballero; e Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos, filha de Ronald Acevedo, governador do estado de Amabai, no Paraguai. As polícias brasileira e paraguaia investigam os assassinatos e se há relação entre eles.

continua após publicidade

O primeiro a ser morto foi o vereador. Ele foi executado na tarde de sexta-feira (8), quando andava de bicicleta. De acordo com a Polícia Civil, os tiros que atingiram o vereador foram disparados por uma pessoa que estava em uma motocicleta. No local foram recolhidos quatro munições de calibre ponto 45 e pelo menos um acertou o parlamentar, que morreu no local. Imagens de câmeras de segurança do local serão analisadas pelos policiais.

Pedro Juan Caballero

continua após publicidade

Conforme a polícia paraguaia, as quatro pessoas mortas no início da manhã deste sábado (09), foram atingidas por tiros quando saíam de uma casa noturna. Elas estavam em um veículo de placas do Paraguai e os atiradores, em uma caminhonete.

Os suspeitos desceram da caminhonete, se aproximaram do veículo da vítima, atiraram e fugiram. Todos os baleados morreram no local.

Foram mortos em Pedro Juan os paraguaios:

continua após publicidade

Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos. Filha de Ronald Acevedo, governador de Amambai, no Paraguai, foi atingida por seis tiros.Omar Vicente Álvarez Grance, de 32 anos. Conhecido como "Bebeto", foi atingido por 31 tiros.

E também as brasileiras:

Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos. Natural de Dourados, foi morta com 14 tiros eRhamye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos, morta com 10 tiros.

As informações são do G1.

Tags relacionadas: #BRASIL #Fronteira #mortes #Paraguai