Cotidiano

China confirma o envio de insumos para produção da vacina

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia China confirma o envio de insumos para produção da vacina
fonte: Divulgação/Twitter
China confirma o envio de insumos para produção da vacina

Yang Wanming, Embaixador da China do Brasil, confirmou, nesta quinta-feira, 20, em conversa com governadores, que a China liberou o envio de insumo farmacêutico ativo (IFA) para a fabricação de 16,6 milhões de doses da vacina CoronaVac e AstraZeneca. A previsão é de que os novos lotes cheguem nos próximos dias.

continua após publicidade

Veja o post do diplomata no Twitter: 


“A China vai continuar a fornecer insumos para o Brasil e não vamos colocar obstáculos políticos, nem tratamento diferenciado na liberação de insumos para a Coronavac ou para a vacina AstraZeneca. Desejamos o máximo de esforço”, afirmou Yang Wanming.

De acordo com o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), foi feito um acordo para regularizar o cronograma de entrega do IFA e ampliar relação de respeito e investimentos entre os dois países.

continua após publicidade

Escassez de vacina

Tanto a Fiocruz como o Instituto Butantan, responsáveis pela vacina da AstraZeneca e pela Coronavac, estão com a produção suspensa por falta de matéria-prima.

A Fiocruz interrompeu nesta quinta-feira (20/5), e o Butantan na semana passada. No caso do instituto ligado ao governo de São Paulo, além do atraso na entrega de insumos, a quantidade liberada foi menor que a prevista.

continua após publicidade

Na quarta-feira (19/5), Doria informou que a China liberou 3 mil litros, em vez dos 4 mil litros que haviam sido anunciados. A entrega deste primeiro lote, que deveria ter chegado no início da abril, está prevista para o próximo dia 25.

Para o governador de São Paulo, João Doria, os atrasos se devem a entraves diplomáticos gerados por ataques do governo brasileiro ao país asiático. O Ministério da Saúde nega crise com o governo chinês.

No Fórum, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), argumentou que ataques feitos pelo governo federal à China não representam a opinião dos governadores.

Com informações: Metrópoles