Cotidiano

Casal é vacinado após guardar cartaz de críticas a Bolsonaro

Aos 53 anos, eles não conseguiram receber a vacina enquanto estiveram com cartolinas com frases contra o presidente.

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Casal é vacinado após guardar cartaz de críticas a Bolsonaro
Casal é vacinado após guardar cartaz de críticas a Bolsonaro

No posto da Policlínica do Lago Sul, na QI 21, um casal só conseguiu receber a primeira dose da vacina contra a covid-19 quando guardou os cartazes com críticas ao presidente Jair Bolsonaro.

continua após publicidade

Os dois têm 53 anos de idade e agendaram na última segunda-feira (14), no período da tarde, para receber a dose do imunizante. Ao site Metrópoles, eles denunciam que, ao chegar a vez deles no drive-thru, profissionais se negaram a aplicar a vacina enquanto ambos segurassem os cartazes que continham críticas com alusão ao presidente da República.

“Nós marcamos de ir no mesmo local, no mesmo dia, das 14h30 às 15h30. Preparamos cartazes com dizeres como: ‘500 mil mortes com a sua digital’, ‘ele não’. Mas nem tinha o nome do presidente”, conta o homem, que é servidor público e pediu para não ser identificado, por medo de represálias.

continua após publicidade

Quando chegou a nossa vez, descemos do carro para fotografar o momento da vacinação. Nessa hora, a vacinadora falou: ‘Com o cartaz eu não vacino’. Ainda disse: ‘deixa eu ver o cartaz’ e depois repetiu que não vacinaria. A gente disse que iria tirar foto só da gente, que ela não apareceria, mas ela saiu nervosa. Depois, veio outro cidadão, que não sei se era o chefe, mas parecia ser. Ele disse: ‘o senhor está entendendo? Não pode. A gente aqui não faz política partidária'”, narra o marido.

O homem também disse que o funcionário do ponto de vacinação afirmou que “não concordava com este posicionamento”. “Tinha um vigilante armado dentro do posto e, depois que ele disse isso, o vigilante falou: ‘é isso mesmo, doutor’. Aí eu falei que estava me sentindo coagido, porque o homem estava armado”, acrescentou.

O casal conta que estacionou o veículo para que a fila do drive-thru seguisse enquanto isso. “O cara pediu para que a gente tirasse o carro da fila para não atrapalhar. Aí, sentamos numa cadeirinha debaixo da tenda enquanto passavam os carros”.

continua após publicidade

Após cerca de 20 minutos esperando na tenda da vacina, eles receberam a primeira dose, mas aplicada por outra funcionária, e sem que eles segurassem os cartazes de protesto. “Eu fiquei assustada. Falei: ‘será que agora vão vacinar a gente mesmo? Não sei até que ponto estão tirando o meu direito de ser vacinada'”, afirmou a mulher.

Com informações do Metrópoles.