Cotidiano

Carrefour romperá contrato com empresa responsável pela morte de homem negro

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Carrefour romperá contrato com empresa responsável pela morte de homem negro
fonte: Divulgação/Carrefour
Carrefour romperá contrato com empresa responsável pela morte de homem negro

Um homem negro foi espancado até a morte no estacionamento do Carrefour, em Porto Alegre por seguranças de uma empresa terceirizada. 

continua após publicidade

Na última quinta-feira (19), uma notícia repercutiu e entristeceu a população brasileira. A vítima João Alberto Silveira Freitas de 40 anos, morreu após ser espancado por três seguranças no estacionamento do supermercado, localizado no bairro Passo D' Areia, em Porto Alegre. 

De acordo com informações, a vítima teria se envolvido em uma discussão com uma funcionária do caixa que acionou a segurança. O homem foi levado até o estacionamento onde foi espancado até a morte por três seguranças. 

continua após publicidade

A rede de supermercados Carrefour se manifestou por meio de uma nota e informou o fechamento da loja onde o crime ocorreu. 

“O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada”.

“O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento desde inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente. Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que acontece e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais”, finaliza a nota.

De acordo com o delegado que atende a ocorrência, os envolvidos e testemunhas ainda serão ouvidos e imagens das câmeras de seguranças serão analisadas.