Cotidiano

Brasil vive "maior colapso sanitário e hospitalar da história", diz Fiocruz

Da Redação ·

A disparada dos números da pandemia do novo coronavírus aponta para o "colapso" do sistema de saúde no Brasil e para a iminência de uma "catástrofe", avalia a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em edição do Boletim Extraordinário do Observatório Covid-19 publicada na noite desta terça-feira, 16.

continua após publicidade

Segundo a publicação, 24 Estados e o Distrito Federal têm taxas de ocupação dos leitos de UTI para a covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS) iguais ou superiores a 80%. "Trata-se do maior colapso sanitário e hospitalar da história do Brasil", segundo os pesquisadores da instituição. "É praticamente o país inteiro com um quadro absolutamente crítico."

Segundo a Fiocruz, 15 Estados já registram taxas de ocupação dos leitos de UTI para covid-19 iguais ou superiores a 90%. Apenas dois têm taxas de ocupação inferior a 80%: Roraima, com 73%, e o Rio de Janeiro, com 79% e em tendência de crescimento.

continua após publicidade

Entre as 27 capitais, 25 têm taxas de ocupação de leitos de UTI para covid-19 iguais ou superiores a 80% - em 19 delas, o índice já passa de 90%. "Apesar de ocupação inferior à lotação máxima de 100%, vários locais apresentam filas de espera por leitos, o que configura situação de colapso no atendimento", dizem os pesquisadores da Fiocruz.

"Quando a capacidade de resposta, como as ações desenvolvidas pelos serviços e sistemas de saúde, se apresenta em uma situação extremamente crítica ou mesmo em colapso, como se vê em quase todo país, sendo incapaz de atender às necessidades de todos os pacientes graves e levando os trabalhadores da saúde a situações de exaustão, estamos próximos ou diante de uma catástrofe", diz o boletim.

A Fiocruz defende, na publicação, a interrupção de atividades não essenciais, incluindo a suspensão de aulas presenciais e um toque de recolher nacional de 20 horas às 6 horas, além da ampliação do uso de máscaras.