Cotidiano

Ataque russo no centro de Kharkiv deixa ao menos 10 mortos

As equipes de socorristas ucranianas afirmaram que pelo menos 10 pessoas morreram no bombardeio russo desta terça-feira (01/03)

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Ataque russo no centro de Kharkiv deixa ao menos 10 mortos
fonte: AFP

As equipes de socorristas ucranianas afirmaram que pelo menos 10 pessoas morreram no bombardeio russo desta terça-feira (01/03), no centro da cidade de Kharkiv, a segunda maior da Ucrânia, próxima  da fronteira com a Rússia.

continua após publicidade

"Pelo menos dez pessoas morreram, mais de 20 ficaram feridas. Socorristas e voluntários resgataram 10 pessoas dos escombros, segundo um balanço preliminar", disse o serviço ucraniano de situações de emergência

O ataque aconteceu no sexto dia de conflito no leste europeu. O principal alvo da Rússia foi um prédio do governo regional de Kharkiv, na Ucrânia. Um vídeo mostra uma grande bola de fogo que envolve carros que estavam no local.

continua após publicidade

A explosão aconteceu às 8h no horário local (3h em Brasília). O toque de recolher havia terminado duas horas antes, de acordo com o Ministério do Interior da Rússia.Ainda não se sabe se houve mortos ou feridos por causa da explosão do prédio.

Logo após o bombardeio,Volodymyr Zelensky, prsidente da Ucrânia, publicou um vídeo afirmando que os ataques são terrorismo de Estado e pediu para que a comunidade internacional reconheça isso.

"O objetivo do terror é nos quebrar, é quebrar a nossa resistência '', afirmou. O presidente ainda disse que as cidades de Kiev e Kharkiv, as maiores do país, são os principais alvos da Rússia.

continua após publicidade

Em seguida, Zelensky discursou no Parlamento Europeu, agradecendo o apoio da União Europeia, reafirmando o sofrimento da Ucrânia e pedindo a adesão urgente de seu país à comunidade europeia.

O Parlamento Europeu se reuniu hoje para uma sessão extraordinária para votar uma resolução que condena a invasão russa. Os eurodeputados vão também debater a adesão da Ucrânia à União Europeia, um pedido feito formalmente na segunda-feira (28/2).