Cotidiano

AstraZeneca reafirma segurança da vacina após países suspenderem uso

Da Redação ·

A farmacêutica AstraZeneca divulgou neste domingo, 14, um comunicado reafirmando a segurança da sua vacina contra a covid-19, elaborada em parceria com a Universidade de Oxford. O pronunciamento veio após países suspenderem o imunizante diante de relatos de aumento de coágulos sanguíneos em decorrência do seu uso. A empresa informou que promoveu uma análise dos dados dos pacientes vacinados e que não foi identificado nenhum risco dessa natureza.

continua após publicidade

"Uma revisão cuidadosa de todos os dados de segurança disponíveis de mais de 17 milhões de pessoas vacinadas na União Europeia e no Reino Unido com a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca não mostrou evidências de um risco aumentado de embolia pulmonar, trombose venosa profunda ou trombocitopenia, em qualquer idade definida grupo, gênero, lote ou em qualquer país específico", disse o comunicado da farmacêutica divulgado neste domingo.

Neste domingo, a Irlanda anunciou que suspendeu o uso da vacina. Na quinta-feira, 11, a Dinamarca foi a primeira a interromper temporariamente o imunizante. A autoridade de saúde da nação nórdica disse que a decisão foi "baseada no princípio da precaução". Noruega, Islândia e Bulgária seguiram o exemplo.

continua após publicidade

A Tailândia também adiou o uso da vacina à medida que aguarda uma investigação, enquanto a Itália, Romênia e Áustria pararam de usar injeções de lotes específicos. A Alemanha, por sua vez, decidiu manter a vacinação por considerar que faltam evidências sobre possíveis efeitos nocivos.

"O número de casos de coágulos sanguíneos relatados no grupo de pessoas vacinadas é menor do que as centenas de casos que seriam esperados entre a população geral. A natureza da pandemia levou a uma maior atenção em casos individuais e estamos indo além das práticas padrão para monitoramento de segurança de medicamentos licenciados ao relatar eventos de vacina, para garantir a segurança pública", afirmou a diretora médica da AstraZeneca, Ann Taylor.

Na sexta-feira, a diretora de acesso a medicamentos da Organização Mundial de Saúde (OMS), Mariângela Simão, afirmou que os resultados dos estudos preliminares "não apontam para uma correlação entre a vacina da AstraZeneca e a formação de coágulos". A entidade defende que a vacinação seja mantida, nesse contexto.

continua após publicidade

Ainda na sexta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou o registro da vacina de Oxford/AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A decisão permite a entrega do produto que tem etapa de fabricação no País. Antes, o órgão já havia autorizado o uso emergencial do mesmo produto, mas fabricado pelo Instituto Serum, da Índia.

A Fiocruz espera entregar cerca de 222 milhões de doses neste ano, sendo 112 milhões até julho.