Cotidiano

Ararinhas azuis ganham os céus de Curaçá, na Bahia

Heliana Frazão, especial para o Estadão (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O próximo dia 11 de junho será considerado um marco para o repovoamento das ararinhas azuis no Brasil. Um grupo dessa ave rara, ameaçada de extinção, vai ganhar liberdade para voar nos céus do País. Nesse dia, um grupo de oito dessas aves, juntamente com quatro araras maracanãs, será solto em Curaçá, município localizado no Vale do São Francisco, na Bahia.

continua após publicidade

A região abriga um Centro de Reprodução e Reintrodução da ave, administrado pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio). As ararinhas azuis são originárias do sertão baiano. Elas foram consideradas "criticamente em perigo ou provavelmente extintas", conforme definição do órgão de preservação ambiental, desde o ano 2000, quando foram vistas pela última vez na natureza.

Segundo Eduardo Araújo, coordenador do Plano de Ação Nacional para a Conservação da Ararinha Azul (PAN), do ICMBio, a extinção da espécie está ligada ao tráfico de animais e à perda do seu hábitat. São fatores que, ainda hoje, influenciam diretamente na extinção de alguns animais.

continua após publicidade

A reintrodução das aves no bioma natural está prevista no PAN. É fruto de uma concentração de esforços entre o instituto brasileiro e instituições ambientais internacionais, que mantinham exemplares da ave em cativeiro.

Em março de 2020 desembarcaram em solo brasileiro 52 ararinhas originárias de criatórios na Alemanha e na Bélgica, sendo 26 machos e 26 fêmeas. Desde aquela época, vivem em Curaçá, onde estão sendo preparadas para o retorno à natureza.

Cerca de um ano depois da chegada desse grupo nasceu o primeiro filhote de ararinha-azul em Curaçá. Outros dois nasceram posteriormente, totalizando, no momento, 55 aves da espécie, na Bahia. De acordo com Araújo, assim como as aves, o ambiente também está sendo totalmente adaptado para recebê-las.

continua após publicidade

Os treinamentos aos quais as ararinhas vêm sendo submetidas visam a ensiná-las a buscar o próprio alimento, à defesa de predadores e ao desenvolvimento em "aversão à presença humana", evitando assim a ação de traficantes.

Ugo Vercillo, diretor da organização Blue Sky Caatinga, também responsável pelo manejo com as ararinhas, conta que em janeiro deste ano as aves foram transferidas para uma espécie de aviário maior, onde experimentam uma vida semelhante à que terão quando estiverem livres. "Nesse local, elas são aclimatadas, podem alçar voos maiores, pousar em árvores, e convivem com outras aves. Além disso, são estimuladas a experimentar uma variedade de alimentos que encontrarão disponíveis na natureza", explica.

Eduardo Araújo acredita que os três primeiros meses depois da soltura, serão os mais difíceis, por causa do processo de adaptação. Mas, segundo ele, durante esse período, elas terão a oportunidade, inclusive, de voltar ao cativeiro, para se alimentar e passar a noite, caso desejem.

continua após publicidade

No dia 11 ocorrerá o que se chama de "soltura branda", quando os animais não são "expulsos" para a natureza. "A porta do aviário será aberta, com oferta de alimento na área externa, para estimulá-las a sair, mas elas poderão permanecer ou retornar, caso se sintam inseguras", diz Ugo Vercillo, acrescentando que esse é um protocolo de soltura utilizado em todo o mundo.

PRESERVAÇÃO

Auxiliar na preservação das espécies é uma tarefa que pode ser feita por qualquer um, com o simples ato de compartilhar uma foto. Plataformas como o iNaturalist ou WikiAves incentivam que os usuários compartilhem fotos ou cantos de aves com uma rede de naturalistas, biólogos e cientistas. Isso permite que espécies raras ou em extinção, por exemplo, sejam reconhecidas e mapeadas - o que pode contribuir para projetos semelhantes aos adotados no País e para a pesquisa científica. Estatísticas da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), ligada à ONU, mostram que quase 1 milhão de espécies animais e vegetais estão ameaçadas de extinção no planeta.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.