Mais lidas

    Cotidiano

    Cotidiano

    Amazonas ainda tem redução de internações e mortes, mas segue perto do limite

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 27.02.2021, 13:44:00 Editado em 27.02.2021, 13:47:38
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    O Amazonas diminuiu nas últimas semanas o número diário de óbitos, fila de espera por assistência e hospitalizações, mas segue com o sistema de saúde em colapso e com doentes à espera de leitos. A segunda quebra no sistema de saúde do estado, na pandemia, já dura dois meses. Em Manaus, a média atual de enterros diários é de 78,8 sepultamentos, o dobro dos registros antes da pandemia.

    Mesmo com taxa de ocupação de UTI superior a 90%, classificação vermelha de alto risco em Manaus e roxa nos 61 municípios do interior - que não tem alta complexidade -, o Estado conduz a reabertura. Na primeira onda, a retomada de atividades presenciais ocorreu quando a média de sepultamento em Manaus estava em torno de 40 e a taxa de ocupação em UTI tinha caído para menos de 70%.

    Nesta sexta-feira, 26, foram confirmados 1.572 novos casos de covid-19, e 1.461 pessoas com a doença ocupavam leitos clínicos e de UTI no Amazonas. A fila de espera tem 84 doentes, sendo a maioria, 55, do interior. Do total de pacientes que aguardam por leitos, 35 precisam de UTI, cuja taxa de ocupação se mantém alta em 90,31%.

    O Estado passou cerca de duas semanas, entre o fim de janeiro e início de dezembro, com uma média diária de espera por leito de cerca de 550 pessoas, durante o período que o governo decretou lockdown. Em meados de janeiro, os centros médicos de Manaus chegaram a entrar em colapso e pacientes morreram asfixiados por falta de oxigênio hospitalar. "No hospital em que trabalho, diminuiu o número de pessoas em leitos. Só que não podemos nos iludir com a falsa sensação de normalidade. Na verdade, estamos longe da normalidade", declarou o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado, Mário Viana.

    Para o professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e coordenador do Atlas ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), Henrique Pereira, a diminuição de óbitos e infecções no Amazonas está diretamente relacionada à adesão ao isolamento social em janeiro. A vacinação ainda está no início e o Estado permanece no seu inverno amazônico que, chuvoso, favorece a proliferação de doenças virais e respiratórias.

    A Atlas ODS da covid-19 no Amazonas indicou no seu relatório semanal, divulgado no último sábado, 20, que havia tendência de desaceleração doença, levando em consideração dados das duas semanas anteriores. No entanto, a média de novos casos ainda era 2,4 vezes maior do que a registrada no início de dezembro, antes da explosão que provocou a segunda onda da doença em Manaus.

    O mesmo quadro se mostrava quando comparado os registros de óbitos: "reduziram em 47%, na última semana, porém ainda são 4,8 vezes mais numerosos que no início de dezembro", indica o relatório. As internações caíram, segundo o levantamento da Ufam, 51% nas semanas anteriores ao último sábado desde o pico em 14 de janeiro, quando faltou oxigênio. Mas estão 2,2 vezes maiores que os do início de dezembro.

    Aumento de casos e diminuição do isolamento - A preocupação do professor Henrique Pereira é que as médias móveis diárias de infectados voltaram a registrar aumento no mesmo período que a taxa de isolamento social caiu, incentivada pela reabertura Segundo ele, esse processo é precipitado. "O isolamento social, que chegou a 62% em Manaus, vem caindo e a média móvel de novos casos teve leve aumento. A sequência é essa: cai a taxa de isolamento, aumenta número de casos, depois de internações e, na terceira semana, infelizmente, o número de óbitos", afirmou.

    Para ele, dois cenários possíveis serão observados nos próximos dias no Amazonas. "Há uma queda mais substancial do índice de isolamento em Manaus depois do dia 20 de fevereiro. Dois cenários possíveis se apresentam: essa queda de números de óbitos e internações pode continuar, mas de forma mais lenta, ou pior, a regressão à condição mais grave", disse.

    A liberação da circulação de pessoas aposta que a imunização, ainda em curso, do público que mais morre (idosos) possa conter o número de óbitos. Até agora, o Estado aplicou 278.345 doses de vacinas nos grupos prioritários. Segundo dados do site do Governo do Amazonas, a vacinação da primeira dose atingiu mais de 70% da população com idade acima de 74 anos. Em Manaus, a prefeitura anunciou para a próxima semana o início da vacinação de grupos de idosos entre 65 e 69 anos. Na cidade, 73% dos mortos por covid-19 em 2020 tinham mais de 60 anos.

    A técnica de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na zona norte de Manaus, que pediu para não ser identificada, afirma que a unidade atendeu três vezes mais pacientes do que sua capacidade no pico de casos. Relata que a lotação caiu e que estão conseguindo, sem longas esperas, transferir pacientes. As vagas que desocupam nas unidades de emergência, que deveriam funcionar como porta de entrada para covid-19, passaram a oferecer leitos aos doentes transferidos do interior.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Cotidiano

    Deixe seu comentário sobre: "Amazonas ainda tem redução de internações e mortes, mas segue perto do limite"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.