Cotidiano

Cristiana Brittes pede que polícia investigue crimes contra sua honra

Da Redação · GoogleNews

Siga o TNOnline
no Google News

Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Imagem ilustrativa da notícia Cristiana Brittes pede que polícia investigue crimes contra sua honra

Quatro dias após a decisão de pronúncia do Caso Daniel ser publicada pela Justiça de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, Cristiana Brittes fez um pedido à Polícia Civil para que investigue possíveis crimes contra sua honra e condição de mulher. O boletim de ocorrência foi registrado na tarde desta terça-feira (3), no 3° Distrito Policial de Curitiba, no bairro Mercês.

continua após publicidade

O pedido foi feito logo após a decisão da Justiça de impronunciar Cristiana por homicídio no Caso Daniel. Com a decisão, a esposa de Edison Brittes Junior irá a júri por apenas outros três crimes: fraude processual, corrupção de menor e coação no curso do processo.

Sem a responsabilização por homicídio, então, Cristiana optou pelo registro criminal. A advogada Graciele Queiroz afirmou que o linchamento público contra Cristiana tem de acabar. “Ela constantemente vem sendo alvo de haters, importunada a todo o tempo e isso tem de parar. A Cristiana é uma mãe de família, que se envolveu em um crime que está sendo apurado, mas a situação dele como mulher é outra. Esse linchamento acaba hoje”, disse.

continua após publicidade

Entre as provas que Cristiana teria apresentado à polícia está a violação do telefone celular dela.

O advogado Claudio Dalledone, que representa Cristiana no processo da morte do jogador Daniel, garante que a apoiou na decisão. “Uma mulher não pode ter exposta sua nudez e ser ridicularizada pela sua condição sexual. Hoje foram dois boletins de ocorrência, que terão a instauração do inquérito”, explicou.

Pronúncia
Com a pronúncia, vão responder por homicídio triplamente qualificado: Edison Brittes Junior, David Willian Vollero Silva, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva e Ygor King. Os quatro teriam participado das agressões contra o jogador e teriam levado o corpo até a Colônia Mergulhão, na zona rural de São José dos Pinhais. Destes, apenas Edison permanece preso.

continua após publicidade

Allana Brittes vai responder no júri por fraude processual, corrupção de menor e coação no curso do processo. Evellyn Brisola Perusso vai responder por fraude processual.

Caso Daniel
Segundo a denúncia do Ministério Público do Paraná, o jogador Daniel Correa Freitas participava das comemorações de aniversário da filha de Edison, Allana Brittes, que havia completado 18 anos. Após passar a noite em uma casa noturna do bairro Batel, Daniel foi convidado para um ‘after’ na casa da família Brittes, onde o crime aconteceu.

Edison Brittes confessa a morte de Daniel e afirma que tomou a medida extrema após encontrar Daniel na cama com Cristiana. O jogador então foi brutalmente espancado e levado no porta-malas de um Veloster até a Colônia Mergulhão, onde foi morto com um corte no pescoço e o pênis decepado.

(Banda B)

Tags relacionadas: #Brittes #Caso Daniel