Mais lidas
Ver todos

    Cotidiano

    Deputados contra a privatização da Repar e Fafen vão formar comitiva para defender unidades do Paraná

    Assembleia Legislativa do Paraná. Foto: Nani Gois/Alep
    Foto por
    Escrito por Da Redação
    Publicado em Editado em
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

    Os impactos da privatização da Petrobras e o fechamento da Fábrica de Nitrogenados e Fertilizantes da Petrobrás (Fafen) foram explanados no plenário da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), durante o grande expediente da sessão plenária desta segunda (02).

    A convite dos deputados da bancada do Partido dos Trabalhadores, o Diretor Sindical de Base do Sindicato dos Petroquímicos do Estado do Paraná (Sindiquimica), Paulo Antunes Rodrigues da Silva, falou sobre os impactos econômicos, sociais e ambientais da Privatização da Petrobrás, especificamente no Paraná.

    O deputado estadual Arilson Chiorato (PT), ao abrir o grande expediente, lembrou a importância de se tratar deste tema tendo em vista o impacto que a medida pode trazer ao Paraná.

    “Tratar dos impactos econômicos, sociais e ambientais da privatização da Petrobras. Isso representa o fim de muitos empregos, impostos na receita do Estado e o fim da produção a nível nacional de combustíveis e fertilizantes”, conta.

    A Fafen-PR é uma unidade de operações da Petrobras, responsável pela fabricação de amônia e fertilizantes nitrogenados a partir de gás natural. Localizada em Araucária, atualmente emprega diretamente 396 trabalhadores e cerca de 650 trabalhadores terceirizados, totalizando cerca de 1.000 empregos.

    Em Janeiro, a Petrobras anunciou o fechamento da Fafen, após uma tentativa fracassada de venda da unidade, durante o processo de privatização que a estatal vive atualmente.

    Para Paulo Antunes, a sociedade paranaense ainda não tem noção dos impactos que essa medida vai trazer ao Paraná.

    “Cidades que possuem subsidiárias da Petrobras, como Araucária e São Mateus do Sul, têm boa parte de sua economia ligadas a este setor. Sem contar nas perdas em arrecadação para os municípios e para o Estado do Paraná”, afirma.

    Durante a fala, os deputados Michele Caputo (PSDB) e Professor Lemos (PT) levantaram a proposta da criação de uma comissão formada pelos trabalhadores, parlamentares e Governo Estadual para defender as unidades paranaenses da Petrobras e intermediar o não. Ideia que foi apoiada também por outros deputados.

    “Precisamos somar forças para trabalhar por esta causa. Temos que marcar uma audiência na sede da Petrobras”, afirmou Michele Caputo.

    O líder do Governo, deputado Hussein Bakri, se comprometeu a levar a proposta ao governador Ratinho Júnior “Vamos levar ao governador essa proposta, pois essa luta é de todos nós. O Governo Estadual também tem total interesse na manutenção desses postos de trabalho”.

    Na sequência, o Presidente da Alep, deputado Ademar Traiano (PSDB), anunciou que a Mesa Diretora da Casa apoia esta ideia e se coloca à total disposição para articular essa frente.

    “A mesa executiva determina que seja formada uma comissão com os nossos deputados. Daremos todo o apoio necessário para a realização desta audiência na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro”.

    Arilson Chiorato avalia como positiva a explação do assunto na Alep e agradeceu ao presidente e demais deputados pela sensibilidade com o tema.
    “Agradeço ao presidente Traiano pelo apoio a esta causa e aos demais deputados que estão conosco nesta luta. Acredito que juntos, conseguiremos somar forças para reverter esta situação”, finaliza.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!
    TNTV
    TNTV

    Acidente envolvendo três carros acontece no centro de Apucarana

    Deixe seu comentário sobre: "Deputados contra a privatização da Repar e Fafen vão formar comitiva para defender unidades do Paraná"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.